sexta-feira, 28 de março de 2014

O 1º de abril

No dia 27 de março de 1964, o governador da Guanabara, Carlos Lacerda (1914-1977), mandou a família para a casa de amigos e resolveu dormir no Palácio Guanabara. Apelidado de “O Corvo”, por seu nariz adunco e sua participação na crise que levou ao suicídio de Getulio em agosto de 1954, o conspirador via chegada a hora do acerto de contas com seus inimigos políticos. Em sua avaliação, a situação do país tinha atingido o ponto de não retorno. O sinal verde para o golpe abriu-se com a Revolta dos Marinheiros e o discurso radical do presidente João Goulart no Automóvel Clube, no dia 30 de março, para um público de sargentos e suboficiais.

A radicalização de Goulart dava ares de verdade à mensagem de que ele se rendia ao comunismo. No começo de março, com a adesão do sempre cauteloso general Castello Branco ao movimento, a relação de forças no seio das Forças Armadas começara a pender a favor do golpe. Mas ainda pairava no ar o fantasma de um confronto com o “dispositivo militar” do presidente, comandado pelo chefe da Casa Militar, general Assis Brasil. Chegou-se a uma situação na qual o que contava era a capacidade de cada lado de arregimentar legiões.

Respeitado no Exército, Castello Branco sabia que, sem o apoio da maioria dos oficiais, o movimento anti-Goulart fracassaria. No campo civil, as “Marchas da Família com Deus pela Liberdade” tinham feito seu papel, permitindo dizer que o povo brasileiro chamava as Forças Armadas para salvar o país do comunismo.

Na manhã de 31 de março, o general recebeu com irritação a notícia de que a ala mineira da rebelião resolvera precipitar os acontecimentos. Carlos Luiz Guedes, comandante da Infantaria Divisionária 4, e Olympio Mourão Filho, chefe da 4ª Divisão de Infantaria, de Juiz de Fora, agiam em acordo com o governador Magalhães Pinto. Por volta das 7 horas da manhã do dia 31 de março, o general Castello Branco ligou para Magalhães pedindo que convencesse Mourão a não deslocar seus homens para o Rio de Janeiro. Não obteve sucesso. Batizada de “Coluna Tiradentes”, a tropa saiu de Juiz de Fora à tarde, sob o comando do general Antonio Carlos Muricy, atingindo a divisa com o Rio de Janeiro no final do dia.

Na ex-capital do país, o chefe da Casa Militar do governador, coronel Fontenelle, mandou bloquear as ruas de acesso ao palácio com caminhões de lixo, temendo um ataque de tropas legalistas. Na Praia de Botafogo, vista como alvo provável de um desembarque de fuzileiros navais comandados pelo almirante Aragão, inimigo público e visceral de Lacerda e partidário de Goulart, Fontenelle mandou colocar tonéis de petróleo vazios.

Atraída pelos rumores, uma pequena multidão se concentrou nos arredores do Palácio Guanabara. Sarcasticamente, o próprio Lacerda descreveu anos depois a movimentação: “Então apareciam no Guanabara uns velhinhos, uns almirantes reformados, uns generais reformadíssimos, que saíam de casa com a sua pistolinha! Mas apareceu também uma rapaziada enorme, gente para todo lado, gente que ficava nas esquinas atrás de colunas”.

Surgiram boatos de que o Corpo de Fuzileiros Navais estaria se deslocando da Ilha do Governador para atacar Lacerda. As linhas telefônicas do Palácio foram cortadas, com exceção de uma, graças à qual Lacerda conseguiu se comunicar com o governador Ademar de Barros, em São Paulo, e com a UnitedPress, no exterior. O governador de Pernambuco, Miguel Arraes, pronunciou-se em defesa do regime constitucional. No Paraná, seu colega Nei Braga anunciou apoio ao golpe.

No histórico prédio do Ministério da Guerra, no Rio, em seu gabinete da Chefia do Estado-Maior do Exército, o general Castello Branco acompanhava o desenrolar dos fatos. Caberia a ele neutralizar qualquer movimento de tropas a partir do Rio de Janeiro ou de Petrópolis para enfrentar a coluna de Mourão. Em telefonema a Lacerda, Castello procurou explicar que a questão agora era militar: São Paulo, o Nordeste e o Rio Grande do Sul precisavam se definir. Feito isso, as tropas paulistas e mineiras marchariam em diversas colunas para o Rio de Janeiro. Em nenhum outro lugar os acontecimentos foram tão decisivos.

Em São Paulo, às 22 horas, Ademar de Barros declarou apoio ao golpe. Uma hora depois, o general Amaury Kruel, chefe do II Exército, com sede na capital paulista, aderiu ao movimento, após tentar convencer Goulart a demitir ministros “comunistas”. Às 2 horas da manhã, Ademar foi de novo à televisão anunciar que as tropas do general Kruel seguiam pela Via Dutra rumo ao Rio de Janeiro, para se reunir à “Coluna Tiradentes”. Entre os paisanos, os governadores de Goiás, Mato Grosso e dos estados do Sul tinham declarado apoio ao golpe.

Como disse depois o general Cordeiro de Farias, “o Exército dormiu janguista no dia 31 e acordou revolucionário no dia 1º”. A coluna de Minas Gerais defrontou-se, na altura do Rio Paraibuna, com o batalhão de Petrópolis, chefiado por um tenente-coronel de nome Kerensky. Os tenentes de Mourão conversaram diretamente com seus camaradas vindos do estado da Guanabara, conseguindo sua adesão. Às 3h30, o marechal Odílio Denys, ex-ministro da Guerra, visitou a coluna e logrou, por telefone, convencer o coronel comandante do Regimento Sampaio a alinhar-se às legiões em revolta.

Gradualmente, a hipótese de confronto militar se extinguia. Às 7 horas, Mourão e seus comandados puseram-se de novo em movimento. Alguns oficiais da Força Aérea levantaram voo de Pirassununga (SP) com o objetivo de atacar as colunas golpistas, mas não receberam ordens para disparar. Também na Força Aérea, o esforço miúdo de doutrinação do pré-golpe mostrava resultados. Às 12 horas, o Regimento de Artilharia de Costa, ao lado do Forte de Copacabana, foi neutralizado pelo impulsivo general Montagna, que ultrapassou a assustada sentinela dando-lhe um empurrão. Do Recife, o general Justino Alves Bastos, comandante do IV Exército, anunciou seu apoio. Ações isoladas dos fuzileiros navais do almirante Aragão não conseguiram virar o jogo militar. O “almirante vermelho” acabou preso.

Jango resolveu deixar o Rio de Janeiro pouco antes das 13 horas, embarcando para Brasília. O ministro da Justiça, Abelardo Jurema, foi detido no Aeroporto Santos Dumont e levado para a Escola de Comando e Estado Maior do Exército, na Urca, um dos centros nervosos do movimento. No Recife, às 20 horas, tropas do Exército prenderam o governador Miguel Arraes, conduzido a um quartel, de onde seria transferido, no dia 2, para Fernando de Noronha.

Reunidos na Cinelândia, manifestantes pró-Goulart tentaram invadir o Clube Militar, mas foram rechaçados a tiros. Instigados ao vivo pelo apresentador de rádio e de TV Flávio Cavalcanti, bandos anticomunistas atearam fogo à sede da União Nacional dos Estudantes, a UNE, na Praia do Flamengo. Em toda a cidade, tropas policiais e militares começaram a prender líderes políticos ligados a Goulart. A Faculdade Nacional de Filosofia foi atacada a tiros de metralhadora. No Centro da cidade, uma reunião de emergência convocada pelo Comando Geral dos Trabalhadores foi dissolvida, com prisões de alguns líderes importantes. O jornal Última Hora, de Samuel Wainer, foi empastelado. Às 17 horas, oficiais da Marinha conseguiram tomar o prédio de seu ministério. Houve violentos conflitos entre manifestantes e soldados nas ruas da ex-capital, com mortos e feridos.

Às 23h30, Goulart voou para Porto Alegre, onde esperava resistir com apoio do Exército. De madrugada, com o Congresso Nacional cercado por tropas militares e sob protesto de um grupo de parlamentares, seu presidente, o senador Auro de Moura Andrade, declarou a vacância da Presidência, embora o presidente ainda estivesse em território nacional. Às 11h45 do dia 2 de abril, ele fugiu para São Borja, dali rumando para uma fazenda no Uruguai.

Por alguns dias, para dar uma aparência de legalidade ao golpe, a Presidência da República passou a ser ocupada pelo presidente da Câmara dos Deputados, Ranieri Mazzilli. Conduzido ao Planalto “em um carro literalmente coberto por homens armados”, como relatou o terceiro secretário da Embaixada Americana em Brasília, Robert Bentley, Mazzilli tomou o poder na calada da noite. Ainda no dia 2, os Estados Unidos reconheceram o novo regime. Começava o período da oficialmente chamada Revolução Democrática de 1964.

por João Roberto Martins Filho - professor da Universidade Federal de São Carlos e organizador de O golpe de 1964 e o regime militar: novas perspectivas (Edufscar, 2006)

Fonte: RHBN

#


22 comentários:

Patriota disse...

Fila da puta LONGA VIDA AOS MILITARES VOLTA CCC

tome no cu anarquistas putas!

Adelvan disse...

Altos argumentos civilizados ...

Patriota disse...

Um anarquista falando de civilidade, ô tio se junte aos black blocs e dps de depredar tudo venha aqui e fale isso de novo, adorador de Bakhunin

Adelvan disse...

Se decida sobre o que eu sou, meu caro "sobrinho", marxista ou anarquista adorador de Bakunim. Ser as duas coisas ao mesmo tempo é complicado. Mas vindo de alguém que já disse que Hitler era comunista, não dá pra se querer muita clareza de pensamento, mesmo ...

Anarriê pra você.

Patriota disse...

Cara se voce ver pelo menos a maior parte deste documentario voce irá entender o que falo: http://hiranizando.blogspot.com/2013/04/historia-da-uniao-sovietica.html

Agora pelo amor.de Deus, o que voce tem contra uma ideologia que nao e racista, apoia a familia e é.nacionalista, ou seja, valoriza a cultura brasileira.

Por que raios voce apoia gente que busca uma Ditadura do Proletariado e que matou e exterminou mais gente do que o nazismo ao longo da historia? É so porque seus amigos de universidade marxistas poser dizem que isso é "revolucionario"? O que dizer de uma doutrina politica que causou Gulags, Holomodor, e causa tensao de guerra ste hoje(coreia do norte), sinceramente nao entendo!!

A ditadura militar foi cruel? Foi, nao tem.como.negar. Mas tambem nao sejamos hipocritas a ponto de esquecer que lutava-se contra o comunismo, ideologia que busca invariavelmente outrs ditadura, alem disso os tais marxistas ao inves de lutar pacificamente explodiam carros bomba, sequestrava politicos e matavam pessoas, aivoce quer que os militares façam oq? Tomem uma caipirinha enquanto os comunistas fazem a festa de adoraçao a Stalin?!

Se as drogas so causassem mal ao retardado do maconhero tudo bem, mas as drogas geram dinheiro ao trafico, este que financia os crimes como.roubos, assltados, sequestros etc, causando mal estar social, fora que a familia do maconhero ou cara que fuma drogas.mais pesadas fica abalada totalmente...quantos sofrimentos seriam cessados caso a policia prendesse esses anarquistas consumidores de drogas??
Nao entra pela minha cabeça alguem que nao seja psicopata ou louco aceitar ou achar normal tudo isdo, sabe, nao entra.

Estude mais o Integralismo como ele se auto-declara e nao por coisas que ves escrito em livros de historia escritos por marxistas ggeralmente.
Outra coisa, pra mim comunismo é tao criminoso quanto nazismo, o lugsr dessa galera era na cadeia, pois inflamam discursos de odio contra religioes, tensao entre classes sociais sem buscar o dialogo pois a unica coisa que eles(comunistas) buscarao e a revoluçao tiranica aos moldes de Stalin, duvida?? Pode ver o programa do PCB, ele diz que a recoluçao nao pode ser pacifica e ainda diz que buscam ditadura do proletariado, eu nao ainda pq a policia nao prende esses caras no minimo por incitaçao ao crime cara... é incrivel como se normalizou as ideias marxistas!!

No mais me desculpo pelas ofensas é que é o seguinte, eu nao.assisto mais TV nem escuto nada mais pq quando vejo tanto crime, traficantes enriquecendo, impunidade e tanto comunista pagando de humanitario eu fico com muita mas muita raiva, é tipo incontrolavel!!! Eu começo a socar a parede e vou promeu velho metal ou RAC pq senao eu dou surtos cara!!
Esse mundo desgraçado ta me dando nojo, da vontade de fugir desta pourra, ir pra Marte slá... pq naoda.mais nao, ja chega p mim de todo esse sistema e dps fslam que eles nos apoiam kkkkkkkkk se fosse assim pq eu estaria tao entediado desse mundo?

A mim so resta 3 opçoes: Ou eu vou entrsr de cabeça no movimento integralista e ai é p ganhar esse pais, pq o povo merce sair desse atoleiro, ou eu fico calado fingindo tudo estar bem e ser amado pelos esquerdistas por pensar igual a eles e a maioria das pessoas, ou eu me isolo em outro pais e fico la de boas mas me arrependendo amargamente...

ANAUÊ, INTEGRALISMO ATE A MORTE ISSO É MINHA VIDA ISSO AQUI E MINHA RELIGIAO!!!

Patriota disse...

E veja o domuentario no link que te mandei por favor cara!!
E pode mandar o documentario pros teus amigos do PSTU pra ver se eles se arrependem que serem primos politicos do nazismo!!

Adelvan Kenobi disse...

Tô meio sem tempo agora, mas como vc pediu desculpa pelas ofensas e chamou para um debate franco, pretendo dar minha opinião sobre os tópicos expostos, assim que possivel.

Adelvan Kenobi disse...

Ok, vamos lá: vou tentar partir do começo, pelo menos para nós, brasileiros. Em 1500 o território que é hoje conhecido como o Brasil - e américa, como um todo - foi invadido, pode-se dizer assim, por potências coloniais européias que, usando como arma sua superioridade técnica, subjugou os povos nativos e implantou aqui um regime de exploração do homem pelo homem em larga escala, com a utilização, posteriormente, de mão de obra escrava trazida da África, outo continente subjugado. Este regime baseou-se a principio num sistema de feitorias, ou capitanias hereditárias, no qual o rei praticamente doou as terras conquistadas à força a algumas pouquissimas familias abastadas e privilegiadas, para que elas a administrassem em nome da coroa. Isso gerou um país com uma distribuição de renda extremamente desigual, agravado posteriormente pela abolição da escravatura. Que, não há duvidas quanto a isso, espero, foi um avanço civilizatório, mas especialmente imperfeito da forma que foi feito no Brasil, onde os negros foram simplesmente jogados ao léu e ao Deus dará sem nenhuma compensação pelo que sofreram nem nenhuma condição minima de recomeçar a vida de maneira digna. Quase 500 anos depois, os descendentes desses colonizadores - Angelo Calmon de Sá, o dono do extinto banco Bamerindus, por exemplo, era descendente direto de Men de Sá - se articularam com as Forças Armadas para depor um presidente que queria, unicamente, tentar corrigir essa gigantesca injustiça histórica com as chamadas reformas de base - especialmente a reforma agrária, na verdade o pivô do golpe, ou seja, só se decidiram mesmo pelo golpe quando perceberam que Goulart tinha intenção MESMO de fazer a reforma. Foi esse, só esse, o motivo do golpe. A tal da ameaça comunista foi uma desculpa esfarrapada. Os comunistas faziam pressão sobre o governo, claro, mas isso é normal numa democracia. Qualquer grupo filiado a qualquer corrente ideológica tem o direito de pressionar e disputar a hegemonia sobre a sociedade. Vence o mais forte, o que consegue estabelecer a melhor correlação de forças. É assim que funciona.

Adelvan Kenobi disse...

Goulart não era comunista, era trabalhista - e católico. E era rico! Ele apenas teve o bom senso de notar que o Brasil não poderia continuar com a desigualdade social que apresentava - e apresenta, ainda hoje. Era herdeiro politico de Getulio Vargas, que, veja só, derrotou a "intentona" comunista de Prestes e perseguiu, prendeu e arrebentou os comunistas durante a ditadura do Estado Novo. Então fico tristemente impressionado em notar que ainda existem pessoas que acreditam nas justificativas estapafurdias para o golpe. Até porque a luta armada surgiu depois, como uma reação ao golpe, em legítima defesa contra o terrorismo de estado. Pode-se questionar se foram equivocados ou não, achar que os que optaram pela via "pacífica", aceitando as regras impostas pelo regimo de arbítrio, extremamente limitadoras e de fachada, é que estavam certos, mas inverter as coisas ao ponto de dizer que o golpe é que foi uma reação ao terrorismo dos esquerdistas é falsificação da história.

Adelvan Kenobi disse...

Quanto à União Soviética, em nenhum momento você vai me ver defender o stalinismo. Acho que Stalin foi tão ou mais brutal do que Hitler, muito embora seu regime tenha se originado da perversão de uma idéia, a princípio, justa, que pregava o fim da exploração do homem pelo homem. O que não tem nada a ver é você generalizar ao ponto de dizer que os regimes totalitários e ditatoriais são exclusividade e uma consequencia natural do socialismo e do marxismo, quando há tantos exemplos de ditaduras igualmente brutais de direita e anticomunistas mundo afora ao longo da História. Sim, o comunismo nos deu péssimos exemplos, execráveis e abomináveis, como a ditadura de Pol Pot e do Khmer Vermelho no Camboja - que foi derrubada, veja só, por outro regime comunista, do Vietnã, algo certamente muito estranho pra você que parece achar que eles são todos iguais - a Coréia do Norte - uma aberração - a revolução cultural da China e o stalinismo, mas a direita não tem moral nenhuma pra apontar o dedo e dizer que "isso é coisa de comunista/esquerdista", já que espalhou regimes brutais e ditatoriais pelo mundo, como na America Latina, com Pinochet no Chile e os generais do Brasil e da Argentina, ou na Ásia, como o regime de Suharto, na Indonésia, responsável por vários genocídios. Algumas delas sobrevivem até hoje, como uma espécie de reliquia fossilizada do passado da guerra fria, como o regime de Myanmar, ex-Birmânia, mas são esquecidas pela midia, que não esquece, no entanto, Cuba e a Coréia do Norte. Midia que esquece também, por exemplo, o apoio dos Estados Unidos ao regime monarquico medieval e brutal da Arabia Saudita, para não estragar a imagem dos americanos de defensores da democracia.

Isso pra não falar do nazismo e do fascismo, que foram, evidentemente, regimes de extrema direita.

Adelvan Kenobi disse...

E assim caminha a humanidade, evoluindo aos poucos, na base da tentativa mesmo, entre erros e acertos. A meu ver, num mundo mais justo, menos desigual, todos viveriam melhor. Equilibrio é a chave da questão, e o capitalismo gera, naturalmente, desequilibrio, porque concentra a riqueza nas mãos de poucos. É por isso que me considero socialista, e espero sinceramente que um dia consigamos chegar lá da forma mais democrática, negociada e pacífica possivel. Não acredito, de forma alguma, que socialismo seja incompativel com a democracia, muito pelo contrario: socialismo É democracia, pois a igualdade entre os homens é condição sine qua non para que a democracia realmente exista. Ou você acha que eu e você temos o mesmo poder de pressão social que têm os donos do capital? Eles é que mandam no mundo, de fato. E mandam de acordo com seus interesses, como casta privilegiada. Atualmente de forma muito sofisticada, basicamente pela formação de um pensamento hegemonico unico promovido pelo amplo dominio dos meios de comunicação de massa. Mas quando necessário, ainda usam a força bruta das armas.

Adelvan Kenobi disse...

No mais, é preciso ver o mundo de forma menos maniqueista, menos preto no branco. Há canalhas completos e indivíduos brilhantes e bem intencionados em ambos os lados do espectro ideológico, portanto, mesmo me considerando de esquerda, não deixo de admirar figuras como Churchill e Roosevelt, líderes das maiores potencias imperialistas durante a segunda guerra mundial, e odiar Stalin, por exemplo. A meu ver, os russos ganharam a guerra APESAR de Stalin, e não por causa dele, muito por conta, também, de os nazistas não terem lhes dado outra opção a não ser a vitoria, já que os planos de Hitler para a União soviética e os povos eslavos em geral era a escravidão, pura e simples. Mas essa é uma longa história e bastante complexa ...

É isso, por enquanto. Espero ter sido claro.

Adelvan disse...

PS: O PSTU é um partido trotskista, e ninguém sofreu mais na mão de Stalin que Trotski e os trotskistas: ele foi preso, expulso da União soviético e perseguido por toda a vida, até ser finalmente assassinado pelos agentes de stalin. Seus filhos e seus seguidores também foram perseguidos, presos e assassinados - um deles nem tinha militancia politica nenhuma, morreu apenas por ser filho de Trotski. Portanto, nada a ver seu recado aos meus supostos "amigos do PSTU".

Patriota disse...

Respondi a teus comentarios em meu blog:
carecasoise.blogspot.com

Adelvan disse...

Li lá. Já esperava algo do tipo. Só acho curioso como você simplesmente ignora o problema da desigualdade social. Mas normal, é basicamente o que define a diferença entre direita e esquerda ...

Patriota disse...

Eu pensei de postar sobre a desigualdade social mas o objetivo do meu post foi demonstrar que os atos dos militares foram aplicados na mesma medida dos crimes cometidos pelos opositores do marxismo.

Em breve postarei sobre desigualdade social, tipo porque é mais saudavel e mais eficiente investir no corporativismo do que fomentar a luta de classes, e como economias de mercado conseguiram reverter as desigualdades sociais e se tornar grandes potencias economicamente dinamicas.

Obs: Quanto essa questao de direita e esquerda eu as considero ultrapassadas, a politica partidaria se tornou muito complexa para se utilizar essas nomenclaturas deterministas, fora que no Brasil os partidos sao fisiologicos e nao se prendem muito à ideologia.

Quanto a questao da democracia, no capitalismo(diferenciar de economia de mercado somente) o dinheiro possibilitou os grandes burgueses cromprar as midias, ou seja, no fundo esse nao e um verdadeiro sistema democratico.

Como diz o sociologo Boaventura Sousa Santos: a democracia apesar de ser considerada internacionalmente como legitima, da sinais atualmente que nao corrresponde às expectativas do povo.

Mesmo assim, acredito que unindo democracia organica(nao liberal) para o campo politico, e corporativismo para o campo economico poderiamos conseguir sim reverter as mazelas sociais e sem radicalismos buscar padroes de vida como Noruega, Japao, Cingapura, Suecia e outras economias de.mercado com elevado bem estar. social( pena que algumas dessas tem vivido perda profunda dos valores morais e dado lugar à promiscuidade, compactuando com legalizaçoes bizarras como pedofilia e zoofilia, tudo em nome da "liberdade plena" e "antireacionaria".)
Por isso a ideia de Hobbes do homem lobo do homem serem verdadeiras em varios casos.

Adelvan disse...

O Plano Marshall e o Estado de Bem estar social montado em sua esteira na Europa por partidos SOCIALISTAS, ou social-democratas, mais especificamente, foram resultado de uma estratégie geopolítica dos USA para deter o avanço do comunismo, através do esavaziamento da luta de classes. O progresso econômico e social de países como a Suécia, Noruega e Japão só se explicam nesse contexto global. Por outro lado havia - e há, com outra denominação - o terceiro mundo, eternamente expoliado e atrasado, fornecedor de matérias primas e mão de obra barata. Está tudo interligado. Um é rico porque o outro é pobre.

Adelvan disse...

É tanto que assim que a URSS e o bloco "socialista" - na verdade stalinista, pois alguns crimes de Stalin foram condenados por Krischev mas o sistema montado por ele não foi desmontado, foi levado adiante por Brejnev - começou a ruir começaram as pressões para o desmonte do Estado de bem estar social europeu, a partir dos governo Tacher na Inglaterra e Reagan nos Estados Unidos - o verdadeiro "eixo do mal". Processo que chegou ao auge nos anos 1990 e acabou por ruir com a crise de 2008, a maior desde a de 1929 e cujas consequencias ainda sofremos. Por ter fracassado, o "neoliberalismo", abriu espaço para um ressurgimento da esquerda na America latina.

Patriota disse...

Concordo, o capitalismo e o comunismo sao 2 sistemas falhos, é necessario que uma proposta integralista corporativa(ou 3 via) surja a se sobrepor a esses dois modos de produçao.

Eu apoio o direito a propriedade privada mas discordo da cultura capitalista e do consumismo alienador. Quanto ao Estado do bem estar social é uma corrente mais a esquerda da qual aprovo.
O Estado corporativista na qual este é o principal regulador e gerador de riquezas e se assemelha a esse modelo social-democrata.

Cara não existe mais isso de país exportador de materia-prima, hoje ate mesmo os mais pobres paises africanos possuem industrias com alto crescimento, isso mostra que as economias emergentes estao se fortalecendo e que os paises ricos estao se estabilizando(por sinal os desenvolvidos sao os maiores exportadores agricolas como EUA e Uniao Europeia).

Outro mito é da plena igualdade. Ela não existe e nunca existira em quaisquer modelos de Estado, é claro que a todos existem os direitos básicos fundamentais e devem a todos ser conferidos, mas a desigualdade é algo de fator natural, que nao e possivel a nós modificar.
Cada um deve buscar sua ascençao por meio de seus méritos e é dever do Estado garantir as "ferramentas" necessarias para que um individuo possa progredir economico e socialmente.
É preciso preservar as condiçoes desiguais da existencia, a diversidade certamente progredirá a humanidade.

Mas essa condiçao de desigualdade(nao de miseria) deve estar atrelada à destruiçao ou enfraquecimento da sociedade de consumo, pois é ela que gera os vicios e o desejo de querer algo sem o esforço necessario.
O integralismo entende que deve-se dar maior enfase ao espiritualismo pois e nele que residem os méritos propïcios para que um individuo busque a exelencia e consequentemente a ascençao social.

O marxismo ai meu ver é bom no que se refere as causas da miseria social, o que torna esta doutrina ruim é suas propostas de violencia e pouco realizáveis.
É utopia acreditar que viveremos no comunismo, onde nao havera Estado e as regras de convivio social seriam regidas por uma mao invisivel social, isso nao deu certo nem para economia que em tese seria mais logico e consistente quanto mais pra normas de conclitos entre pessoas.

Quem regularia que a liberdade de um estaria afetando a do outro no comunismo? Iria ser banho de sangue, homem lobo do homem isso nao existe, vais criar uma Ditadura do Proletariado causando guerras e luta de classes para atingir um objeto sequer realizavel?

Prefiro a uniao de classes e a regulaçao neutra de um Estado espiritualista e nacionalista de terceira via.

Anaue!

Adelvan disse...

Acho engraçado quando vejo você, "Patriota", falando contra a violência. Tem certeza que é a mesma pessoa que deu aquelas respostas lá naquele questionário que vc passou, falando o quanto é bom espancar pessoas e o quanto ama a arma que tem em casa? Pelo visto, para você, a única violencia questionável é a que vem dos marxistas ...

Patriota disse...

Meu pai era militar cara ele tem liceça e nunca usou e so usara em legitima defesa.
E aquelas perguntas foram feitas por meus camaradas carecas e nós nao espancamos ninguem. Na verdade adoto a vestimenta, ouço as musicas dos carecas e sou nacionalista integralista, pretendo seguir na Frente Integralista Brasileira como Presidente do nucleo em Sergipe.
No mais, fiz o blog intitulado carecas por eu aprovar seus ideias e como forma de istigar os punk p eles verem que existem pessoas que nao pensam como eles e o sistema.
Mas esse blog é otimo estou argumentando mais em sala de aula e estou conseguindo angariar membros para a FIB. da minha sala.
No mais considero voce um cara de grande conhecimenro apesar de serem discursos tipicos do sistema mas voce sabe argumentar bem, se estive do nosso lado seria de grande proveito.
So nao gostei dessa coisa de me chamar de "gato" e tua radio tem boa estrutura e apresentaçao mas geralmente as musicas que voce coloca nao sao do meu estilo.
Tente por um Virus 27-caminhos incertos escute ela e dos carecas mas nao faz referencia a isso, apenas critica o sistema e a sociedade preconceituosa.
Comando blindado eu tambem curto mas acho q nao vais por em teu programa pois ela critica o marxismo mas seria bom instrumento de debate e atrair tanto marxistas quanto nacionalistas.
Obs: Comando Blindado parece que é cmposta por nazistas mas acredito que seja especulaçao pois nunca encontrei apologia ao nazismo em suas musicas(pelo menos as que ouço).
Quanto ao meu temperamento eu sou pacifista quase sempre, dialogo e tudo mais, o problema é que as vezes o sistema fica tao pé no saco que eu falo ou agrido sem pensar, fora que interpreto mal algumas pessoas.

Anaue!
*Postei novos textos no blog carecasoise.blogspot.com

Adelvan Kenobi disse...

Tranquilo. Bom ver que entramos em outro nível de discussão.