quinta-feira, 13 de julho de 2017

rock e conservadorismo

O impacto do rock desde sua criação vem da transgressão, da subversão, do desafio ao status quo e da intensidade emocional de misturar realidades e expectativas. A ambiguidade sexual, a revolta política e a mistura de raças e nacionalidades transformavam o que poderia ser apenas um novo gênero musical – com raízes idênticas em realidades distintas (o blues e o country, as duas metades que até hoje simbolizam os Estados Unidos) – em uma febre global. Baixo, guitarra e bateria equilibrando frases elétricas e refrões em forma de hino fizeram esta novidade norte-americana se espalhar pelo planeta à medida que a adolescência ganhava voz pela primeira vez na história.
Mas ao tornar-se clássico, o gênero passou a cultuar símbolos e uma mitologia que aos poucos engessou suas principais qualidades para firmar seus holofotes apenas no ego dos artistas. Logo o astro do rock era mais importante que sua mensagem e aos poucos as premissas que metamorfosearam o gênero musical numa transformação comportamental foram envelhecendo com seus primeiros protagonistas, que perderam o viço da juventude e tudo de bom e de ruim que os relacionava àquela faixa etária. Aos poucos a música eletrônica, o hip hop e uma nova vanguarda foram suprindo aquela necessidade de extravasar que antes era proporcionada pelo gênero. O rock foi se transformando em algo reacionário, reativo e eminentemente conservador – autocelebratório e machista, indulgente e preconceituoso, intolerante e caricato. Até o indie rock – versão alternativa para esse rock dito clássico – repete tais erros.
Este retrato, no entanto, é impreciso. Talvez pelo excesso de atenção em alguns dos grandes vendedores de discos do passado, o gênero passe por esse envelhecimento grotesco, mas ele não mostra as transformações que eventualmente vão sendo propostas por artistas mais novos* ao longo do tempo. Pelo menos até a ultima década do século passado o rock se renovou e se reinventou, se dividindo numa impressionante miríade de subgêneros que prestaram maior ou menor tributo à tradição que os antecedeu, mas garantiram ao gênero o frescor da novidade - o grunge, por exemplo, é um herdeiro direto do punk, com influencias do metal e do chamado "indie rock', mas foi também um sopro renovador que varreu das paradas de sucesso o rock de arena ndas bandas de metal “farofa”. Já o Black metal norueguês não parece ter nenhuma conexão com a musica de Chuck Berry - embora tenha. O Punk que, por sua vez, foi uma reação à acomodação e à pompa progressiva da década de 1970, um retorno visceral às raízes primordiais numa nova linguagem, visceral e radicalmente contestadora – muito embora um de seus artífices, o guitarrista Johnny Ramone, fosse um conservador assumido.  
Ao longo do tempo tivemos novas gerações desconstruindo o formato estabelecido entre os anos 50 e 60 e reinventando um rock que muitas vezes transcende sonoridades estabelecidas e desafia as expectativas. Acho, portanto, extremamente reducionista a afirmação que muitos fazem hoje em dia nas redes sociais de que o rock é “conservador”. Que rock? Para cada Ted Nugent, Lobão ou Roger do Ultraje a Rigor sempre tivemos e quero crer que ainda temos um Ian McKaye, um Tom Morello ou um Rodrigo do Dead Fish. Para cada encontro de Elvis com Nixon, um show arrebatador dos Stooges ou do MC5.
Na cacofonia das redes sociais, "o rock é conservador" é apenas mais uma sentença de impacto imprecisa e equivocada. Em sua essência, nunca foi. Foi o gênero que fez cair as barreiras raciais, ao mesclar a musica dos brancos e dos pretos numa coisa só, se desdobrando e se reinventando infinitamente ao longo do tempo e servindo de trilha sonora para levantes culturais revolucionários, como o hippie e o punk, dentre outros. Algumas correntes, como a do Heavy Metal, talvez sejam realmente mais fechadas em si mesmas, avessas a novidades, mas isso acontece muito mais por um instinto de preservação “tribal” que por reacionarismo político e/ou comportamental. Mesmo assim o contato com a diversidade cultural do mundo real acaba acontecendo e também ele, o Heavy Metal, evolui e se torna mais dinâmico e multifacetado, se desdobrando numa infinidade de subgêneros – Death, thrash, grind, doom, gothic, etc.
Em vez de “reacionarismo” o que eu noto, atualmente, é uma grande estagnação estética e criativa: na primeira década do século XXI o mundo do rock nada fez além de se autocanibalizar em novas bandas com sonoridades datadas e derivativas. De uns dez anos pra cá, nem isso. Um verdadeiro deserto. Mas isso se deve, a meu ver, à própria característica fragmentária do mundo em que vivemos, eternamente imerso num oceano infinito de distração do qual é necessário um esforço tremendo para submergir.
Criar algo realmente novo, este é o grande desafio.
*Até aqui por Alexandre Matias
A.
#

terça-feira, 11 de julho de 2017

A Fome voltou.

Em junho de 2001, o Jornal Nacional veiculava uma série de reportagens que viria a ser premiada. Marcelo Canellas e Lucio Alves apresentavam a “Fome no Brasil”. O dado revelado era que uma criança morria de fome no Brasil a cada cinco minutos. Em pleno “milagre neoliberal”, como gostam de citar alguns intelectuais e políticos de direita no Brasil, uma criança morria a cada cinco minutos no Brasil. Vou repetir, porque penso que o número deveria ser usado em qualquer discussão sobre política e economia de agora em diante. Ao começar a ouvir qualquer argumento dos defensores desta hipocrisia de direita, pare e escreva “em 2001, aos sete anos do governo FHC, uma criança morria de fome a cada cinco minutos no Brasil”. Repita ou escreva, não importa, mas sempre comece por esta informação. Em seguida, olhe a ginástica retórica que o interlocutor fará e avalie se ela se encontra no campo da ignorância ou da mácula moral insanável. Qualquer das duas opções, é uma conversa que não vale à pena.
Não sei se já mencionei, mas em 2001, uma criança morria de fome a cada cinco minutos no Brasil. O fato, chocante, inaceitável, inumano, é irrisório perto da pergunta de um pai, quando confrontado pelo jornalista se não havia como o seu filho “ganhar um pouco mais de peso”. Ana Cláudia dos Santos, a mãe, e Evangelista dos Santos, o pai, com a sabedoria de quem luta para sobreviver, respondem ao repórter “o que você acha que eu devia fazer?” Este diálogo reflete o Brasil do neoliberalismo. O repórter, obviamente não sabia sobre o que perguntava e não conseguia compreender o que via e ouvia. Provavelmente foi dilacerado a cada entrevista, eis que humano. O pai entrevistado, sequer com tempo de tirar a enxada das costas para falar, desfere a pergunta fatídica que separava os brasis de forma tão evidente. “O que você acha que eu deveria fazer?” para salvar a vida da minha filha que não tem o que comer ...

Eu me recordo de assistir esta reportagem e chorar, copiosamente. Eu não choro com hino, bandeira ou camiseta verde amarela. Não choro por cântico religioso fervoroso. Não choro por ver alguém “atingir a meta” de malhar todo dia e perder peso. Não sou de reconhecer heróis em ações ordinárias e totalmente comuns. Eu chorei como criança vendo aquela série. O olhar de Evangelista para o repórter era a demonstração de que nada, absolutamente nada naquele país, poderia estar dando certo.

O que não consigo entender é como Ana Cláudia dos Santos, a mãe, e Evangelista dos Santos, o pai, se tornaram “vagabundos que se aproveitam do Estado para não trabalhar”. Ou ainda como a fome de sua filha poderia ser um reflexo “da meritocracia” que levaria – em um livre mercado – a sociedade brasileira a ser produtiva e rica. Não entendo como Ana Cláudia e Evangelista se tornaram o “problema das contas públicas do Brasil”, tendo contra si os dedos da classe média (saciada) e da maioria dos que apertam botões no parlamento, e que hoje defendem o fim dos programas sociais, dos direitos do trabalho e a redução de vencimentos para os mais pobres.

Apenas uma sociedade doente, ignorante e hipócrita pode acreditar que Ana Cláudia e Evangelista estão sofrendo assim por que não se esforçaram o suficiente. Apenas uma sociedade lunática, cínica e monstruosa pode se convencer de que eles sofrem desta forma por não terem fé suficiente ou por não terem depositado algum valor numa conta em nome de algum deus.

E eu não falei ainda da sua bebê, que padece da fome. Certamente quando ela crescer, depois de ter lutado para sobreviver, vai saber evitar as mazelas da sociedade. Vai se esforçar numa escola pública de algum sertão poeirento e seco e vai concorrer “de igual para igual” com alguém que comeu na infância toda e que “não aceita privilégio” de quem quer que seja.

Também não falei de você, que se “revoltou” com o conto das “pedaladas” e saiu a bater panelas vazias – de barriga cheia – querendo o “seu país de volta”. Pois a ONU informa que a fome voltou ao Brasil. O seu país, finalmente, voltou. E se você a ele reivindicar as cores verde e amarela, fique com elas. Não me farão falta as cores de um país em que uma criança morria a cada cinco minutos de fome. Um país hipócrita que não aceita vidraça quebrada, mas nunca se importou com as muitas Anas Cláudias e Evangelistas a enterrarem seus filhos em caixas de sapato, como “querubins sem pecado”, no único consolo possível.

Que bom que as cores nos diferem. Você fica com a hipocrisia em verde amarelo e eu procuro qualquer outra que dê guarida a um país sem fome. Quem nos olhar saberá de pronto que não me misturo com quem prefere o cassetete à cabeça do estudante, quem prefere o privilégio da gravata à comida da criança, quem tem força física para bater em panela, mas padece de inanição moral.

Não sei se já falei, mas em 2001, aos sete anos do governo de FHC, uma criança morria a cada cinco minutos de fome, no Brasil.

Este país voltou ...

"ABOMINÁVEL SOCIEDADE"

por Fernando Horta

AQUI

#

O Fim está chegando ...

Quando se joga o jogo dos tronos, você aprende a esperar o inesperado. Mesmo assim, a mais recente temporada de Game of Thrones fez algo totalmente sem precedentes na história da série da HBO: ela ficou menos complicada conforme foi passando, e não mais.
Sim, estamos perto do encerramento, o que significa que muitos dos jogadores mais importantes já foram empurrados para fora do tabuleiro no ano passado. Agora, o Rei do Norte Jon Snow, a Rainha dos Sete Reinos Cersei Lannister e a Mãe de Dragões Daenerys Targaryen estão no devido comando de seus respectivos reinos. Enquanto isso, ao norte da Muralha, a ameaça dos Caminhantes Brancos e o inverno infinito deles está cada vez mais perto. Esta é a verdadeira guerra, que tem sido apenas facilitada por todas as disputas entre diferentes grupos de humanos.

E se o verdadeiro inimigo está prestes a dar as caras, você não gostaria de ir à batalha sem estar bem informado, né? Foi por isso que preparamos este guia, organizado por região, sobre como tudo e todos estavam antes do pontapé inicial da nova temporada, que acontece no domingo, 16 de julho, pela HBO.

O Norte
Em uma das maiores reviravoltas da série, Jon Snow deixou o título de bastardo para trás e se tornou um monarca, assim como o meio-irmão. Depois de ter sido ressuscitado pela Sacerdotisa Vermelha Melisandre, ele rapidamente executou aqueles que haviam se voltado contra ele na Patrulha da Noite e restaurou sua posição como Senhor Comandante, antes de entregar as rédeas ao amigo “Dolorous” Edd Tollett.
Isso deixou Lord Snow livre para lutar a batalha pela libertação de Winterfell, sua casa, das garras de Ramsay Bolton, que matou o próprio pai para reivindicar o castelo para si. A subsequente “Batalha dos Bastardos” teve custo alto – entre as fatalidades, Rickon, jovem irmão de Jon, e Wun-Wun, o último dos gigantes – mas terminou em vitória para a Aliança do Norte. Deve-se dar crédito a Sansa pela vitória, já que ela conseguiu que os Cavaleiros do Vale, comandados pelo assustador guardião dela, Petyr “Littlefinger” Baelish, se juntassem aos esforços do meio-irmão. A Senhora Stark também se vingou do marido dela, Ramsay, fazendo com que ele fosse servido como jantar para os próprios cães.
Dessa forma, Jon acabou tendo controle sobre uma das maiores forças em Westeros, mas também a mais desorganizada. O grupo variado inclui os selvagens, liderados por Tormund Giantsbane; os nobres que são tradicionalmente leais à Casa Stark, com destaque para a jovem líder da Ilha dos Ursos, Lyanna Mormont; e os Lordes do Vale, encabeçados por Bronze Yohn Royce. Jon tem o apoio de Sansa também, ao menos por enquanto; Littlefinger já está procurando uma maneira de provocar a discórdia entre os irmãos.
Mas ele não pode mais contar com a mágica de Melisandre: o Rei Snow exilou a Mulher Vermelha, seguindo as sugestões do conselheiro Ser Davos Seaworth, que descobriu o papel que ela teve na morte da filha do Lord Stannis Baratheon na fogueira. Jon também não pode mais depender de Samwell Tarly: ele enviou o melhor amigo, Gilly, que é a namorada de Sam, e o filho dos dois para a Cidadela de Vilavelha, onde o patrulheiro da Patrulha da Noite vai estudar para se tornar um Meistre. Nossa aposta, no entanto, é que ele não terá uma vida tranquila de estudioso: Sam havia roubado do pai, Randyll, a espada de aço valiriano – uma das únicas armas que podem matar um Caminhante Branco.
De volta na Muralha, o Senhor Comandante Dolorous Edd tem poder sobre uma reduzida Patrulha da Noite. O grande defensor da construção pode muito bem ser Bran, o meio-irmão de Jon. Treinado para utilizar suas habilidades psíquicas pelo velho feiticeiro conhecido como o Corvo de Três Olhos, o jovem Stark por pouco não escapou dos Caminhantes Brancos e seu exército zumbi, liderado pelo nêmesis dele, o Rei da Noite. O ataque acabou com as vidas do mentor de Bran, seu lobo gigante e, tragicamente, o guardião dele, Hodor, que teve sua deficiência causada pela presença de Bran, cuja mente é capaz de viajar no tempo e gera esse tipo de dano a sua volta. O comando da amiga deles, Meera Reed, para segurar a porta (“hold the door”, em inglês) frente ao ataque dos zumbis ficou tão marcado na mente do guardião na juventude que uma versão encurtada, “ho-dor”, se tornou a única palavra que ele conseguia dizer.
Agora, Bran e Meera estão voltando à Muralha acompanhados do tio de Bran, Benjen Stark, um patrulheiro da Patrulha da Noite que desapareceu na primeira temporada da série; agora ele é um morto-vivo também, mas do tipo do bem, revivido pelos agora extintos Filhos da Floresta. Juntos, eles carregam o segredo, também revelado por meio da viagem no tempo, de que Jon Snow é, na verdade, o filho secreto da falecida Lyanna Stark e o herdeiro do Trono de Ferro de Rhaegar Targaryen. De fato, o Rei do Norte.

As Terras Fluviais
Se houver alguma surpresa na próxima temporada, ela virá dessa região central. Aqui está Arya, a mais mortal dos Stark sobreviventes. Após os ensinamentos dos assassinos mágicos Homens Sem Rosto na cidade livre de Bravos, ela decidiu que o estilo mercenário deles não era a praia dela. Depois de matar a rival Criança Abandonada (Waif), ela deixou a cidade com uma aparente bênção do mentor Jaqen H’ghar e retornou aos Sete Reinos. Lá, utilizando suas habilidades de disfarce, ela se infiltrou na fortaleza de Walder Frey, o velho grisalho que orquestrou o infame Casamento Vermelho. Primeiro, ela matou os filhos dele e os serviu ao pai dentro de uma torta. Depois, ela cortou a garganta dele.
Antigo companheiro de Arya, Sandor “Cão de Caça” Clegane também está vagando pela região. Após a jovem Stark deixá-lo para trás para morrer, ele se recuperou e se juntou a uma comunidade religiosa que, subsequentemente, foi assassinada por agentes da Irmandade Sem Bandeiras, a guerrilha liderada por Beric Dondarrion e Thoros de Myr, o Sacerdote Vermelho que o trouxe de volta à vida várias vezes. O Cão rastreou os assassinos dos amigos dele e ajudou enforcá-los pelos crimes, antes de concordar em se juntar aos ex-inimigos da Irmandade na batalha que está por vir.
Também perdida nessa região assolada pela guerra está a mulher que derrotou o Cão, Brienne de Tarth. Jurada a servir Sansa Stark, a Donzela de Tarth e o escudeiro Podrick Payne foram mandados ao sul em uma missão ordenada por Brynden "Peixe Negro" Tully, tio de Catelyn, a falecida mãe de Sansa. Ele havia saído ileso do Casamento Vermelho e comandou as forças restantes do falecido Robb Stark. Quando Brienne chegou lá, Jaime Lannister já havia chegado para acabar com o sítio da cidadela, utilizando o sobrinho refém de Peixe Negro, Edmure (o noivo de fato do Casamento Vermelho), para mediar a rendição. O Peixe Negro caiu na batalha, fazendo com que Brienne e o jovem escudeiro tivessem que fugir, deixando o Regicida para trás.
Finalmente, há um verdadeiro coringa no baralho. Euron Greyjoy. Na costa das Terras Fluviais estão as Ilhas de Ferro, governadas até a mais recente temporada pelo Rei Balon Greyjoy. Sem aviso, o jovem irmão pirata dele reapareceu, assassinando o velho monarca em meio a pronunciamentos pretensiosos como “Eu sou a tempestade”. O recém-chegado ganhou o chamado Trono de Sal em uma espécie de “votação” para escolher o novo líder, e logo depois declarou guerra contra a sobrinha e o sobrinho, Yara e Theon, que haviam acabado de se reunir. Os jovens escaparam das garras do mais velho, mas isso só deixa a nova frota de Euron livre para atacar, basicamente, quem ele quiser.

Porto Real
Na capital dos Sete Reinos, Cersei Lannister é o único nome que importa. Ela emergiu da sexta temporada como a inegável governante do centro de poder de Westeros, tudo o que foi preciso para fazer isso acontecer foi causar uma explosão apocalíptica de fogovivo. O caos que se seguiu matou o Alto Pardal, a rival dela, Rainha Margaery, o irmão de Margaery, Loras, o pai deles, Mace, o tio dela e Mão do Rei, Kevan Lannister, e o primo traidor dela, Lancel Lannister, de uma vez só. O subsequente suicídio do filho dela, Rei Tommen, foi uma tragédia, certamente. Mas fez com que Cersei finalmente reivindicasse o Trono de Ferro para ela mesma. Agora, está contando com o irmão/amante Jaime, o conselheiro em magia negra Qyburn e o segurança morto-vivo Gregor “A Montanha” Clegane, conhecido como Ser Robert Strong, para a ajudar a manter o controle.

O Leste
Depois de meia dúzia de anos, Daenerys Targaryen está seguindo em direção ao oeste para tomar os Sete Reinos. Um longo caminho foi percorrido desde o começo da temporada passada: sozinha e desesperada, uma prisioneira dos Senhores dos Cavalos e até abandonada pelo dragão que a havia salvado da insurgência em Meereen. Mas graças aos poderes dela, ela queimou todos os Khals que passaram por seu caminho e emergiu como a líder do povo Dothraki antes de retornar para completar a libertação da Baía dos Escravos.
Agora ela está navegando em direção a Westeros com uma aliança que envergonharia a equipe de Jon Snow. Há três dragões, Drogon, Viserion e Rhaegal – os dois últimos foram recentemente libertados do cativeiro em que ela os havia colocado. Há também o khalasar massivo de guerreiros à cavalo e as tropas terrestres deles, equivalentes aos Imaculados, liderados pelo capitão Grey Worm. Ela ainda tem três frotas de Westeros dando apoiando: os navios da Casa Greyjoy, encabeçados por Yara e Theon; aqueles da Casa Tyrell, comandados pela chamada Rainha dos Espinhos Senhora Olenna; e aqueles de Dorne, liderados por Ellaria Sand e suas três filhas guerreiras, conhecidas como as Serpentes de Areia.
Daenerys deixou dois aliados-chave fora da missão dela. O amante dela, o capitão Daario Naharis, foi deixado atrás para manter a paz em Meereen; e o conselheiro exilado dela, o apaixonado Ser Jorah Mormont, que foi mandado em busca de uma cura para Greyscale, a doença que ele contraiu enquanto navegava de volta à Meereen para oferecer seus serviços à Daenerys.
Mas o grupo reunido pela Mãe de Dragões é impressionante de qualquer forma. Em adição aos vários almirantes e comandantes militares dela, ela pode contar com sua intérprete e braço direito Missandei; o eunuco mestre dos espiões Lorde Varys; e, é claro, Tyrion Lannister, o homem mais astuto – e procurado – de Westeros. A hora do anão está chegando.

#