terça-feira, 4 de agosto de 2009

BHRIF - 15 Anos

Há exatos 15 anos, em 1994, aconteceu em Belo Horizonte, MG, um Festival que marcou época no cenário independente brasileiro. Foi o BHRIF – BH Rock Independente Fest, totalmente dedicado à musica independente e/ou alternativa. Para que se tenha uma idéia da proposta inovadora do evento, apenas veículos de comunicação totalmente alternativos, notadamente fanzines ou revistas independentes, sem nenhum tipo de relação com a chamada “grande midia”, foram credenciados para a cobertura. As bandas também, para que pudessem tocar, não poderiam ter absolutamente nenhum vínculo com as “majors” da indústria fonográfica. Os Raimundos, por exemplo, que estavam despontando no cenário da época, não se apresentaram porque gravaram por um selo que era distribuído pela Warner Music, o Banguela Records, dos Titãs e de Carlos Eduardo Miranda. Nenhuma emissora de TV, aberta ou fechada, recebeu credencial para fazer a cobertura dos shows, palestras e seminários, tudo promovido pela Prefeitura Municipal de Belo Horizonte, então administrada por Patrus Ananias, hoje “Ministro do Fome Zero” do Governo Lula. Nem mesmo a MTV, cuja marca estava incluída na publicidade como apoiadora, teve regalias, cobriu mas com imagens feitas à distancia. Essa premissa radical talvez tenha contribuído para o fato de que pouca gente, hoje, sabe que um Festival deste porte e com uma proposta tão ousada aconteceu, e no Brasil. Eu fui convidado a participar como único representante do nordeste no segmento “fanzine” ou “imprensa alternativa”. Costumo dizer que foram, provavelmente, os melhores dias de minha vida – viajar com tudo pago pela produção, ficar hospedado no mesmo hotel que alguns dos maiores ídolos e ícones da musica alternativa, como o Fugazi, e de quebra conhecer algumas das pessoas com as quais eu já tinha uma longa amizade via carta, foi algo realmente inesquecível. Abaixo, o relato que eu fiz desses dias, publicado originalmente num fanzine chamado DELIRIUM, uma edição especial do Escarro Napalm, lançado em 1995 com uma tiragem reduzidíssima.

----------------------------------

Tudo começou numa ensolarada e tediosa tarde de trabalho como outra qualquer, quando fui surpreendido por um telefonema do meu amigo Jefferson, que editava o fanzine KASPAR. Quase caí pra traz quando ele me disse: “Pois é, estamos a fim de trazer você para cá”. Eu, Adelvan Barbosa, brasileiro, solteiro, nascido em 26 de janeiro de 1971 na cidade de Itabaiana, estado de Sergipe, iria participar do maior Festival de Musica Independente do Brasil ...

Pouco mais de um mês depois, desembarcava na Rodoviária de Belo Horizonte. Outdoors espalhados pela cidade testemunhavam que o negócio não era brincadeira mesmo, era superprodução. Houve um mal-entendido e não havia ninguém para me receber. Depois de duas horas de espera, resolvi me virar sozinho. Qual não foi minha surpresa ao me deparar, logo que saí do Terminal, com a Avenida Afonso Pena ! Não deu outra, fui bater na Prefeitura ( NOTA: que estava promovendo o evento e cuja sede, eu não sabia, ficava nesta mesma avenida ) e algum tempo depois já estava confortavelmente instalado num quarto de hotel (diga-se de passagem, o mesmo onde estavam hospedados os caras do Fugazi, do Anathema, e um monte de gente legal). Esta gente legal logo logo estava toda reunida no quarto da Gabriela Dias (PANACEA), uns se conhecendo, outros se revendo e colocando a conversa em dia. Presentes, além de mim e da Gabriela, estavam o M.Z.K., Eduardo Abreu (100 TRIBOS), Emerson Gasperim (FUTIO INDISPENSÁVEL), Jefferson (KASPAR) e ... Pat Get, da DYNAMITE (Oh! My god!) (NOTA: Pat Get fazia uma espécie de “coluna social” e de fofocas roqueiras na revista Dynamite, na época).

Apesar de esgotados pela viagem (NOTA: no meu caso, de ônibus), fizemos presença na noite de abertura , na Serraria Souza Pinto. O lugar é um prédio enorme, antigo e aparentemente abandonado. A noite seria pontuada pela vanguarda da vanguarda da música independente. Para abrir, ninguém menos que THE NUDES, banda do legendário Chris Cluter, criador da também legendária RECOMENDED RECORDS (RéR). Para mim, que moro no cu do mundo (NOTA: Não acho mais isso, mas os tempos eram outros. Aracaju hoje em dia não é nenhum pólo cultural super-movimentado, mas há 15 anos atrás acredite, era bem pior) e tenho os ouvidos, infelizmente, ainda acostumados a clichês musicais, é um pouco difícil descrever o som deles. Em alguns momentos lembra Pixies, mas muito, muito vagamente ... As musicas têm uma estrutura muito estranha, uma melodia dispersa, hipnótica. E é muito energético. A mulher que toca baixo e sax tem uma voz fenomenal, e Chris Cluter é um monstro na bateria, com um estilo próprio e marcante. Mas a loucura estava apenas começando. Piração total foi a apresentação seguinte, do violinista John Rose – é algo como “o grindcore da música erudita”, como bem definiu Eduardo Abreu. O cara usa um monte de efeitos de distorção no violino e toca em cima de uma base pré-programada, tendo como resultado uma musica não muito agradável aos ouvidos incautos. Destoando completamente e quebrando o clima experimentalista tivemos o LORENZO Y LA NOTA FALSA, de Porto Alegre. Não sei se foi o sono que tava pegando (não conseguia mais ficar de pé), mas esta banda me deixou uma péssima impressão – parecia um Legião Urbana de quinta categoria. No dia seguinte soubemos que o MINISTER OF NOISE detonou a melhor apresentação da noite para o aguerrido publico de cerca de 15 pessoas que ficou até o final.

Manhã de sábado, 13/08/1994. Centro Cultural da UFMG. Exposição de discos independentes, demo-tapes, fanzines, fotografias e vídeos. Não preciso nem dizer que tinha muita, mas muita coisa boa mesmo. Participei (como palestrante, veja só !!!) de um seminário muito legal sobre fanzines, onde expus toda a minha sabedoria e experiência deixando boquiabertos os presentes (aplausos, por favor). Na platéia, amigos distantes que pude finalmente conhecer. Marcos de O. Ferreira (MELEKA KORROZIVA), Beto podrinho (OS CABELODURO), Phu (DFC), o pessoal da banda PURO LIXO, da RADIO LEOPOLDINA, da banda LUPE, entre muitos outros. Estava lançando o # 6 do Escarro Napalm, mas nem divulguei para evitar o assédio dos fãs ensandecidos que, com certeza, fariam um enorme tumulto para conseguir um exemplar autografado (mais aplausos) (NOTA: Não me lembrava que eu era tão metido a engraçadinho).

Depois de uma tarde de bate-papos e amenidades, partimos para a maratona de shows. Graças ao atraso do ônibus que nos levaria à praça da Estação (NOTA: onde aconteceram os principais shows), perdemos o HOLOCAUSTO – algo de que me arrependi mais tarde, pois ao ouvir o interessante trabalho que eles fizeram no disco “tozago as deismno” fiquei curioso de ver como soaria aquilo ali ao vivo. BLACK FUTURE eu achei um saco, o cara fica naquele discurso manjado de poeta marginal, enaltecendo os becos da Lapa, as prostitutas, os vadios, blah blah blah. Passo pro seguinte. INVISIBLE OPERA. Deve funcionar melhor em disco, porque ao vivo ... Tudo bem, os caras são bons pra caralho, e eu sempre gostei muito do Violeta de Outono, mas não me empolgou. Na seqüência, provavelmente a pior apresentação de todo o festival: SELF, com participação de uma das garotas do INHUMANOIDS. Lixo total, um pé no saco, um monte de efeitos eletrônicos sem pé nem cabeça. Musica para quem se acha “o máximo”, de “vanguarda”, estas coisas. Quem salvou a noite entre as atrações principais foi o CONCRETENESS. Os caras já chegaram detonando: “isso aqui é rock and roll, porra”. E tome porrada na cara. Punk Rock/Hard Core Industrial. Som pesadíssimo, martelado, refrões grudentos e a tecnologia a serviço da adrenalina. O tecladista agitava feito um louco. Muito interessante a inclusão de uns tecladinhos meio infantis no meio da porradaria toda. Você ainda vai ouvir falar muito desta banda ...

É a vez dos mineiros do PRIMAL VIOLENCE darem seu “recado”. Bom, limitava-se a um cara tocando guitarra e fazendo um vocal ininteligível, cheio de efeitos, enquanto o paulistano Loop B, em participação especial, ficava batendo com um vergalhão num monte de tralha que ele levou para o palco. Deve ter sido divertido – para eles. Quanto a mim, preferi ficar circulando e conhecendo melhor as pessoas. Como disse o Marcos “meleka”, num comentário tipicamente carioca: “se fosse eu dava logo um tiro nessa porra de lataria, aí sim ia fazer barulho”. A banda que fecharia a noite seria o SWAMP TERRORISTS, da Suíça. Fazem um som industrial, porém bastante dançante. Alguns compararam com Young Gods, o que eu acho questionável. Gostei do som, mas a uma certa altura ficou chato e repetitivo. Pra dizer a verdade, eu já tava era de saco cheio de ouvir musica eletrônica. Nos mandamos para a Serraria Souza Pinto, onde ocorreria o OFF-BHRIF, com bandas que haviam se deslocado a Belo Horizonte por conta própria, para tocar. Acabei perdendo mais uma vez o MINISTER OF NOISE, que tocou novamente no palco principal para compensar o horário ingrato da noite anterior. Mas valeu a pena: o OFF daquela noite deu de dez na programação oficial. Quando cheguei estava no palco o VE, skate-core, de BH mesmo. Não chegou a empolgar ao vivo, apesar de sua demo ser bem legal. É som na linha HC Californiano – Bad Religion, para ser bem claro. A banda seguinte foi a chapante LINGUACHULA, de Campinas (SP). Fiquei petrificado na beira do palco, babando. Com certeza uma das melhores do Brasil. Letras são inteligentes, sacadas espertas, som simples e potente e, no baixo e vocal, uma das mulheres mais “cool” que meus olhos já tiveram a oportunidade de “fotografar”. Fiquei apaixonado. Por ela e pela banda. Mas aí foi amor à primeira vista. OSCABELODURO eu já conheço há mais tempo, e sou fã incondicional. Subiram ao palco e eu presenciei, provavelmente, o melhor show de hard core da minha vida. Porrada atrás de porrada, Beto podrinho parece um louco, de chinelo de dedo (visual largado é pouco), levantando a bandeira do “rock paulêra”. A uma certa altura, o publico invadiu o palco, que quase veio abaixo. Madrugada, o dia quase amanhecendo, e eles tocam a impagável “canção de amor”. Sem mais comentários. A melhor apresentação da noite, uma das melhores do festival.

Oz
Domingo, 19/08/1994. Seminários, palestras, debates e workshops pelo dia. À tarde eu estava frente a frente com “o cara”: Ian Mckaye, do Fugazi. Gabriela Dias e Eduardo Abreu o entrevistaram. Eu, que não falo nada de inglês, fiquei chupando dedo. Rodeado de chá com torradas. Se pelo menos fosse café com cuzcuz ... Mas valeu, não é todo dia que a gente fica lado a lado com uma lenda viva do rock, né ? De quebra, dei um disco da Karne Krua (NOTA: o primeiro, em vinil, na época recém-lançado) de presente pra ele. À noite, pra variar, perdi mais três shows: JUNKIE JESUS FREUD PROJET, RESIST CONTROL e KILLING CHAINSAW (NOTA: Caralho, não acredito que eu perdi a única chance de minha vida de assistir a um show do Killing Chainsaw ...). Merda ! Eram os que eu mais estava a fim de ver. DEATH BY VISITATION OF GOD: Interessante, “pero no mucho”. Som industrial pendendo para o Hard core e o thrash, competente mas sem muitas novidades. SERPENT RISE: Doom Metal, se não for feito com competência, se torna chato e caricato. É este o caso. Um pé no saco – muita carinha de mau, muito clichê ... Passa. DORSAL ATLÂNTICA: Fez um show “ultraporrada”, muito energético, levou ao delírio os fãs, que não são poucos. Eu achei razoável, o som tava meio embolado, mas valeu pela garra e tesão dos caras em tocar. No final uma viagem muito louca, entrou um cara de cueca carregando uma cruz, parecia um Cristo do terceiro mundo, e ficou quebrando a dita-cuja no palco. Achei meio ridículo, mas tudo bem ... Por fim uma das grandes atrações internacionais, o ANATHEMA. Confesso que fiquei um pouco decepcionado, pois gosto muito do LP que foi lançado no Brasil, o “serenades”. Não esperava que ao vivo eles fossem tão “clicherosos” (será esta a palavra?): Dedos em chifre, cara pintada, cover do Venon ... Mas o som é muito bom, pesado e melancólico, como convém ao “doom”de qualidade na linha do Cathedral, Paradise Lost, My Dying Bride. Partimos para o OFF-BHRIF, hoje seria a noite do psychobilly !!!! Abrindo a zona, os CATCHUP BOYS, banda do presidente do fã-clube do Pato Fu, o Marquinhos. (NOTA: da época em que o Patu Fu ainda pertencia ao cast da Cogumelo, tinham acabado de lançar seu clássico primeiro disco). O cara não nega a influência e detona na guitarra, além de agitar muito. O som deles é uma fuleiragem total, o vocalista é muito escroto – só tendo muita cara de pau pra cantar o tempo inteiro com um frasco de catchup nas mãos. Achei massa. Na seqüência, OS BARATAS TONTAS, de BH. Psychobilly na veia e na cara, visual bem tradicional e topetudo. Som idem. Não precisa nem dizer, né? Mas eu digo: As letras são bem escrotas, o som é superbásico, e eu adorei (“I know, it’s only rock and roll, but I like it). Ah! Tocaram também um cover da musica tema do seriado do Batman. Mais aloprado que eles só mesmo a Isadora (do ZINE DEMARCHÉ) do meu lado gritando “uôu uôu uôu”. Pra fechar detonando tudo, OS CERVEJAS, de Curitiba. Um supertrio, o batera é quem canta. Não deixam ninguém respirar, é porrada pra todo lado. Muito bom, detonaram !!! Muito bom mesmo !!! This is rock and roll, baby !!!

Anathema
Segunda-feira, 15/08/1994. A cidade estava vazia, pois era feriado prolongado e o povo lá se manda para o litoral do Espírito Santo. Mania de brasileiro, praia. À tarde eu assisti um debate com Pena Schmidt, Carlos Eduardo Miranda e outros sobre uma suposta rede de distribuição dos produtos alternativos. Chato. Chato também a babação de ovo de alguns indivíduos em cima destes caras, principalmente do Miranda. No princípio eu tinha a intenção de colocar um material na mão dele, mas logo desisti da idéia. Preferi deixar com gente que eu sei que dará mais valor, como zineiros, punks, gente realmente envolvida de corpo e alma com o universo alternativo. O OFF-BHRIF eu não vi pois, pra dizer a verdade, já tava chapado de tanto show e resolvi guardar as energias para a noite de encerramento, que prometia ser a melhor. E foi. Começou com STIGMATA, que eu assisti de longe, pois não fazia muito o meu gênero. Depois tivemos o JORGE CABELEIRA E O DIA EM QUE SEREMOS TODOS INÚTEIS, o único representante da região nordeste entre as bandas que se apresentaram no festival. Legal. Como é moda agora, em Recife, fazem um som bem regionalista com pitadas de rock. É algo como Alceu Valença influenciado por Pixies (tiraram cover dos dois, inclusive). O problema desses caras de Pernambuco é que todos parecem estar querendo embarcar na onda do mangue beat e pra isso recorrem a expedientes vexatórios como a “babação de ovo” explícita em cima de jornalistas renomados em troca de espaço na mídia – a bola da vez, no caso, foi Alex Antunes, a quem dedicaram agradecimentos especiais e chamaram para uma canja numa das músicas. E o pior é que parece que dá resultado: correm boatos de que a Sony Music irá contrata-los. O espírito alternativo ? Ainda existe, é só procurar nas pessoas certas. O Fugazi estava lá para comprovar.

Anathema
Mas a sonzeira estava apenas começando. A banda seguinte foi o DAISY DOWN, do interior de São Paulo. Eu até gosto do disco deles, mas o show foi apenas razoável. Pecou pela falta de energia e porque as músicas, principalmente as que eu não conhecia, lembram um pouco demais o Nirvana. Já o OZ, de Brasília, subiu ao palco com o despojamento e a energia que fez deles uma das grandes promessas vindas daquelas paragens que tantas glórias já deu ao rock nacional. É uma guitar band simples e criativa. Destaque para o vocalista, que parece cantar numa língua muito estranha – eu, particularmente, não consegui entender que dialeto era aquele, mas dizem que é inglês. “três bien, mon ami”. O INTENSE MANNER OF LIVING conseguiu me colocar na roda de pogo, apesar do fôlego curto devido à variação de temperatura (minhas eternas crises de asma). Tava um frio da porra !!! IML é cacete, legítimo hardcore paulista, certamente entre os melhores do mundo. E a energia desses caras é algo difícil de descrever, só mesmo sentido na veia. Vivo e chutando ! Do caralho ! O pano de fundo do palco já anunciava o VIRNA LISI, grande revelação mineira. Dava pra ver na cara de todo mundo ali que já estavam cansados de vê-los ao vivo, mas eu não. Como em tudo o mais nesse festival, era minha primeira vez e provável única oportunidade. Um som um tanto quanto “cabeça” demais, em algumas passagens lembra Titãs, principalmente nas letras. Mas é bom, e é muito rock. Faltou mais percussão, mas eles devem estar querendo evitar associações com os modismos tão em voga hoje em dia (NOTA: 1994). Faltou também “esperar o que”, o “hit”, mas é compreensível, eles também devem estar cansados de tocá-la.

Fugazi
O Fugazi não tem hit, tem atitude e energia de sobra. Muita energia. Em disco já é muito bom, mas ao vivo é, provavelmente, uma das melhores bandas do mundo. Os dois vocalistas/guitarristas agitam como loucos na linha de frente, amparados por uma cozinha pra lá de discreta e eficiente. O baixista permanece imóvel durante todo o show, a não ser numa musica em que ele faz o vocal. Nesta, ele se dirige lentamente ao microfone e lá fica, estático. Nada de iluminação vibrante e colorida, apenas as luzes brancas acesas. Despojamento era a tônica para esta apresentação. Melodias incríveis intercaladas por efeitos estranhos e vanguardismo. “Hardcore Avant-garde”, uma boa definição para o som deles. Destaques? Nenhum. Um show perfeito, uma prova inconteste de que eles merecem ser o que são: uma das bandas mais coerentes e, por isso mesmo, cultuada em todo o mundo. Prova viva da vitalidade do punk rock, que só morreu para quem vê o mundo através das câmeras da MTV.

Bom, acabou. Uma certeza pairava no ar: aquele foi o maior festival de rock independente que este país já viu, e o mérito deve ser dado a todos os que colaboraram para a sua realização, tanto os organizadores quanto os participantes, que se dispuseram a viajar às vezes centenas de quilômetros sem ganhar nada em troca, a não ser a oportunidade para uma intensa troca de experiências e informações. Uma observação final é necessária para que justiça seja feita: a Prefeitura de Belo Horizonte, que bancou todo o evento, é administrada pelo Partido dos Trabalhadores. Já imaginaram o salto que o Brasil iria dar caso Lula fosse eleito presidente? (NOTA: Sim, eu era petista. Não filiado, mas simpatizante e dos mais fervorosos. E sim, eu também estou decepcionado com Lula na presidência).

por Adelvan Kenobi

Set list do show do Fugazi:

Fugazi - Live At B.H.R.I.F., Praça da Estaçao, Belo Horizonte,
Brasil - 15 aug. 1994

Fugazi
01.Intro.mp3
02.Brendan #1.mp3
03.Facet Squared.mp3
04.Public Witness Program.mp3
05.Reclamation.mp3
06.Nice New Outfit.mp3
07.Birthday Pony.mp3
08.Turnover.mp3
09.Waiting Room.mp3
10.Margin Walker.mp3
11.Song #1.mp3
12.Give Me The Cure.mp3
13.By You.mp3
14.Instrument.mp3
15.Rend It.mp3
16.Great Cop.mp3
17.Target.mp3
18.Promisses.mp3

-----------------------------------

Abaixo, na íntegra, a histórica entrevista com Ian McKaye da qual participei (como mero expectador) durante o BHRIF.

Contexto desta entrevista: O Fugazi, banda americana independente, esteve no Brasil pela primeira vez em 1994 para uma turnê que incluiu o BHRIF (BH Rock independente Fest, Festival somente com bandas desvinculadas de grandes gravadoras promovido pela prefeitura de Belo Horizonte) e shows em São Paulo, Rio e Curitiba. Esta entrevista, publicada na Revita Panacea 36 em conjunto com a revista 100 Tribos, se deu em Belo Horizonte e foi conduzida pela Gabriela Dias, com participação do Adelvan, fanzineiro das antigas, e Eduardo Abreu, editor da 100 Tribos e posteriormente proprietário de uma produtora de filmes pornográficos (as voltas que o mundo dá).

Simples, direto, ríspido, até. Assim é Ian MacKaye. Só quando eu, Eduardo Abreu (do 100 Tribos) e Adelvan (do Escarro Napalm) fomos enfrentar o monstro é que vimos que ele não tinha 7 cabeças. Obsessivo, gentil, atencioso, Ian (bem como Guy, Brendan, Joe e Joey, o roadie multitarefa) foi se revelando aos poucos para quem, como eu, teve o privilégio de acompanhar a banda em BH e Sampa. Os estereótipos começaram a cair durante esta entrevista, realizada no restaurante do hotel em que nós (fanzineiros convidados do BHRIF) e eles (maior atração do evento) estávamos hospedados. Com vocês, o Fugazi como ele é.

Gabi & Eduardo
gabriela: O maior problema da cena independente brasileira é que não há muitas gravadoras, rádios e publicações para apoiá-la. Considerando isso, que diferença você vê entre o fato de uma banda daqui e de uma banda americana assinarem com majors?


mackaye: Nos EUA não foi sempre assim. Isso é uma conseqüência. Entre 78 e 81, não havia muitas gravadoras. Mas é difícil fazer comparações. São países diferentes, culturas diferentes.

gabriela: Você tem uma "receita" para que se desenvolva, aqui, uma cena forte?

mackaye: O quê?

gabriela: Uma "fórmula".

mackaye: Vim para o Brasil porque convidaram. Não sou desbravador. Vocês não precisam de um americano para dizer como fazer as coisas.

gabriela: E como se desenvolveu a cena nos EUA?

mackaye: Havia muitas cenas [regionais] diferentes. O comecinho, pra mim, foi em 79, com o punk. Em cada cidade havia algumas bandas, o que ocasionava o aparecimento de uma gravadora. As cidades se comunicavam por meio de cartas, telefonemas, fanzines. E a coisa cresceu. É como o seu fanzine. Como começou, como chegou até aqui? Não é tão simples. A minha versão favorita da história é: um dia, formamos uma banda. Agora estamos aqui.

gabriela: Você é uma das lendas do hardcore americano. Qual é a sua opinião sobre outros ícones dessa época: Jello Biafra, GG Allin?

mackaye: O que você quer saber deles?

gabriela: O que você acha deles.

mackaye: Alguns foram meus amigos. Nunca conheci GG Allin. E agora ele está morto, então ...

gabriela: Você não tem nenhuma opinião sobre ele?

mackaye: GG? [pausa. risos] Claro que sim. Não sei. Acho que todo mundo tem uma opinião sobre GG Allin. Não acho que a minha seja diferente. Ele me parecia uma pessoa infeliz com alguma coisa.

gabriela: E quanto a Jello Biafra? Vocês são amigos?

mackaye: Eu o conheço há alguns anos.

gabriela: Você gosta dos projetos solo dele? E das colaborações de estúdio, como o Lard?

mackaye: Não gosto de falar dos outros. Digamos, por exemplo, que você odiou esse pão, mas eu amei. O pão é bom ou ruim? O pão é o pão. Jello é uma pessoa que lutou muito, que tem lá suas idéias, e que é um bom performer. A primeira vez que o vi foi em julho de 80, num show dos Dead Kennedys em São Francisco. Desde então temos sido amigos. Ele é legal.

gabriela: Como foi aquela época pra você? Eu falei com Henry Rollins [veja Panacea 35] e ele disse que estava feliz agora porque, quando em turnê com o Black Flag, passava fome.

mackaye: Bem, não vou falar necessariamente sobre Henry, ok? A maioria das pessoas que assinam com majors têm desculpas. Uma das que mais ouço é que passavam fome e não tinham dinheiro. Mas estou numa independente e faço parte de uma banda punk. Não assinei com major. Não estou passando fome. Estou bem. Estou no Brasil. Quando as pessoas dizem "foi tão difícil", o que elas querem dizer é: "Me sinto um pouco culpada por ter feito isso". Essa é a minha opinião. Não necessariamente sobre Henry. O Black Flag estava na estrada o tempo inteiro. Trabalhavam muito, geravam bastante dinheiro, vendiam muitos discos. O que aconteceu com Henry não foi o caso da música independente, mas sim do Black Flag, tê-lo deixado na mão. Ele não recebia a grana. Nunca recebeu royalties.

gabriela: Roubado por Greg [Ginn, guitarrista; dono da SST, gravadora da banda]?

mackaye: Sim, por Greg.

gabriela: Ele me disse.

mackaye: Não se pode culpar toda a cena com base nas ações de algumas pessoas ambiciosas e sem caráter. Não é justo! Henry devia dizer: "Eu estava no Black Flag, e as pessoas da minha gravadora não me pagavam. Agora tenho controle sobre meus negócios e estou sendo pago." É o que ele devia dizer.

gabriela: Ouvi a mesma coisa da baterista das Babes in Toyland, a Lori Barbero.

mackaye: Babes in Toyland? Elas nunca foram uma banda independente! Lançaram um álbum pela TwinTone, e logo depois assinaram com a Warner.

gabriela: Mas ela tem um selo indepedente, o Spanish Fly.

mackaye: Sim, tem. O fato é: se você é uma banda popular, que trabalha e toca muito, e se as pessoas gostam de você, pode conquistar algo em gravadoras independentes. Se não, é difícil. Em uma major, você pode não ser popular, mas ainda assim vão fazer dinheiro com você, porque eles vendem qualquer coisa. Essa é a especialidade das majors: pegar um pedaço de merda, dar uma polida, e fazer um disco.

gabriela: Fazer vídeos pra MTV

mackaye: Eu não odeio majors. Não odeio pessoas que assinam com elas. É apenas a realidade, o modo como as coisas são. Eu gostaria que as gravadoras independentes não tivessem sido tão ambiciosas nos úlltimos dez anos. Porque o que aconteceu essa é a minha opinião sobre o porquê da música independente haver falhado, de certo modo, nos EUA , o que aconteceu foi que havia bandas, em 85, na SST, Black Flag, Minutemen, Bad Brains, Meat Puppets, Hüsker Dü.

gabriela: Sonic Youth.

mackaye: Sonic Youth. Qualé? Era uma loucura. Aquelas bandas eram tão populares. E o fato de que não recebiam a grana da SST era ridículo. Se a SST as tivesse pago, não creio que teriam ido para majors. A coisa poderia crescer para algo enorme. Mas a SST não pagou. Então o Sonic Youth disse: "Foda-se! Nós vendemos 15 mil discos e não recebemos!" As próprias gravadoras falharam. Se tivessem sido responsáveis, as coisas estariam melhor.

gabriela: Foi falta de organização?

mackaye: Não sei. Acho que, quando acontece um sucesso numa independente, as pessoas imediatamente pensam: "Nossa, é melhor começar a pensar como major!" Pra gente da Dischord que vendeu, com um disco do Fugazi, In on the kill taker, 250 mil cópias , é diferente. Não assinamos contratos. Nossas bandas são nossos amigos. Com o Jawbox e o Shudder to Think que deixaram a Dischord por majors , foi assim: "Vão e boa sorte." Não brigamos. Esse é o relacionamento que eu tenho que ter, se vou fazer esse trabalho. Porque o mundo da música fede. É uma merda.

gabriela: A sua palavra é mais importante que uma assinatura?

mackaye: Claro. Acho que, se fiz um acordo com alguém e a coisa não deu certo, não tenho que ir pro tribunal por isso. Acabou. Digamos: Babes in Toyland. Assinaram com a TwinTone, que era uma pequena distribuidora de Minneapolis.

gabriela: A mesma que lançou um dos álbuns do Soul Asylum.

mackaye: Exatamente. Elas assinam, e aí a Warner vem e diz: "Nós queremos contratar vocês." Aí a TwinTone diz: "Nós temos um contrato com elas." A Warner: "Quanto vocês querem pra liberá-las?" Aí a TwinTone ganha, talvez, 50 ou 75 mil dólares. É pra isso que existe contrato. Pras gravadoras fazerem dinheiro. Quando a Atlantic [N. da E. Parte do grupo Time Warner] veio atrás do Jawbox, eu disse: "Não queremos dinheiro." Não queremos nosso nome em lugar nenhum do disco. [risos] Quando a banda sai, acabou. Eu disse a eles [o Jawbox]: "Garantam alguma vantagem pra vocês." E eles garantiram: ganharam um bom dinheiro a mais já que a Atlantic não teve que dar dinheiro pra Dischord pelo Jawbox, a banda ficou com algum. No final das contas, pra mim, não quero ter nenhuma conexão, não quero ser parte da Atlantic, da Warner, da Capitol. Fodam-se eles! Simplesmente não estou interessado.

gabriela: Você não precisa delas.

mackaye: Não que eu não precise. Não é interessante [ser parte de uma major]. É chato. Às vezes eu penso: "Deus! Todos os meus amigos são milionários e famosos!" E eu sou este carinha que é fiel ao próprio mundo. Aí as pessoas pensam que uma banda como o Rage Against the Machine é que é radical. Como se pode ter rage against the machine [N. da E. Raiva da máquina, do "sistema"] quando se é parte dela [N. da E. O RATM é contratado da Sony]? As pessoas têm que superar essa coisa da imagem, do dinheiro Talvez não estejamos ganhando tanto, nem recebendo toda a atenção da imprensa, mas estamos vivendo uma experiência única. Nenhuma outra banda vende tanto quanto a gente fazendo as coisas como nós. Você quer saber quem é o empresário do Fugazi? Você está olhando pra ele. Nós agendamos os shows, nós empresariamos. Nós temos o controle. Essa é a porra da nossa banda! É uma experiência muito interessante, mas que a maioria das bandas não tem.

gabriela: Considerando sua discografia completa, o Fugazi já vendeu mais de 1 milhão de cópias. Sabemos que isso é resultado de um esforço enorme, mas Como você se sente administrando tanto dinheiro?

mackaye: Isso não me afeta. Nós somos honestos. A Dischord é honesta. Pagamos todo mundo. Todo mundo que trabalha pra gente recebe um bom dinheiro.

gabriela: Quantos empregados vocês têm?

mackaye: A gravadora tem cinco funcionários, que ganham muito mais do que a maioria das pessoas que trabalham, por exemplo, em livrarias

gabriela: Em punk jobs [N. da E. Quaisquer empregos relacionados ao sistema alternativo punk].

mackaye: Exatamente! Além disso, os empregados fazem o próprio horário e têm seguro-saúde, um grande problema nos EUA. São US$ 150 por mês de seguro-saúde. É uma loucura.

gabriela: Aqui também.

mackaye: Vocês também têm que pagar por isso? Que merda. Com o sucesso do Fugazi, quem está em volta se dá bem. Quem trabalha pra gente ganha bem; nós fazemos um bom dinheiro. É loucura: pro meio em que vivemos, é bastante dinheiro, mas, em comparação com algumas pessoas que vivem em Washington não sou rico!

gabriela: Classe média.

mackaye: Isso. Não sou nada. O dinheiro que fazemos agora, que talvez pareça muito Quanto tempo essa banda vai permanecer junta? Não é como alguém que tem uma carreira e trabalha 30 anos da sua vida fazendo um bom dinheiro por ano. Quem sabe? Talvez o próximo disco do Fugazi não venda nada. Nunca se sabe. Eu tento não pensar sobre isso. Eu era feliz há dez anos atrás, com nenhum dinheiro; era feliz há cinco anos, com algum dinheiro, e agora é a mesma coisa. Não fez diferença pra mim. Pra mim, é assim: "Ah, eu tenho algum dinheiro." Esse pão, por exemplo [N. da E. Ao longo desta entrevista Ian tomou chá preto, uma de suas poucas manias, e comeu torradas]. Não o pedi. Ele apareceu. Ok, aqui está ele. É a mesma coisa com o dinheiro. As pessoas do Fugazi são muito conscientes do que fazem com o próprio dinheiro. Alguns entrevistadores dizem: "Queremos saber o que vocês estão fazendo com todo o dinheiro." "Vá se foder! Não é da sua conta!"

gabriela: Você não tem vergonha de fazer dinheiro honesto.

mackaye: É loucura. As pessoas nunca estão satisfeitas: se nós fazemos as coisas dessa maneira, elas perguntam o que estamos fazendo com o dinheiro. "Não é da sua conta!" Se eles confiam na gente, ótimo; se não, problema deles. Não damos a mínima. O mundo tem 5 bilhões de pessoas. Não é necessário confiar no Fugazi. Não somos o governo, não somos a justiça. Nossas decisões não são nada, além de nossas decisões. Se as pessoas gostam e confiam em nós, se se sentem inspiradas pela gente, legal, porque é isso que eu tiro da música: inspiração. Vocês entendem?

gabriela: Claro.

mackaye: Se não gosto, não confio numa banda, não fico perguntando: "Oh, por que será que não gosto de vocês? Você pode me explicar?" Vá se foder! Há dezenas de outras bandas e pessoas legais no mundo. É uma questão de trabalhar construtiva ou destrutivamente. Se eu acho que uma coisa é boa, vou trabalhar por ela; se acho que é ruim, vou procurar uma boa. Não destruo, construo.

gabriela: Como a Dischord distribui seus discos?

mackaye: Nossos produtos são prensados na Europa.

gabriela: Na França?

mackaye: Na França e na Inglaterra. Onde estiver mais barato. Após a prensagem, são distribuídos de um porão em Londres até uma loja em Chicago, ou até o escritório da Dischord em Washington. Há distribuidores pros EUA; há outros para o resto do mundo. Mas não temos um representante no Brasil.

gabriela: Distribuidores indies?

mackaye: Sim. Nos EUA a coisa está meio estranha: por causa do sucesso e de razões escusas, muitos distribuidores foram comprados por majors. Elas fazem isso porque é bom negócio, mas também porque, quando lançam novas bandas, querem lhes dar credibilidade. Fazem isso colocando-as em suas gravadoras "independentes", distribuídas "independentemente".

gabriela: O Maximum Rock'n'roll [N. da E. O mais famoso zine punk dos EUA] fez uma matéria de capa sobre isso.

mackaye: Exato. Achamos que a Caroline, por exemplo que é da EMI , pode distribuir nossos discos, porque ela não tem exclusividade: compra da gente tanto quanto as lojas. Na verdade, nós distribuímos. E, se você não consegue comprar o CD pelo preço [N. da E. A Dischord põe um "preço máximo" no CD: US$ 8], tem sempre a opção de comprar direto. É mais barato.

gabriela: Fui comprar a compilação do Minor Threat em São Paulo, e quiseram me cobrar 26 reais.

mackaye: Quanto custa o CD nacional?

gabriela: 17, 18 reais em média.

mackaye: E o importado?
gabriela: De 20 a 30.

mackaye: Então nossos discos estão sendo importados pra cá.

gabriela: Sim.

mackaye: Se você comprasse a compilação da gente, pagaria US$ 11. Por correio, via aérea. É mais barato que o CD nacional! Mas é menos cômodo. Você tem que ir ao correio, esperar duas semanas. Eu queria ter mais catálogos.

gabriela: Catálogos da Dischord, com endereço e preços?

mackaye: Isso. Negócios, negócios.

gabriela: E quanto às camisetas? Você desencoraja o merchandising.

mackaye: Sim. E fazem pouco da gente.

gabriela: E aquela camiseta "this is not a Fugazi t-shirt"?

mackaye: É tudo pirata. Essa camiseta, em particular, eu escrevi pro cara e disse: "Pare com isso." Aí ele fez essa, que é engraçada.

gabriela: Ao menos tem senso de humor.

mackaye: É. Liguei e disse: "Já que você é tão criativo e vende camisetas só porque tem 'Fugazi' nelas, por que não dá o dinheiro a uma instituição de caridade aí de Boston?" Ele aceitou. O dinheiro delas fez algo de bom. Se eu fosse garoto, nunca iria a uma loja comprar camiseta. Agora, se você for a um show de uma banda nova, e ela estiver vendendo camisetas que fez, compre. Se vier uma grande banda, com stands vendendo camisetas a US$ 25 (coisa normal nos EUA), que se foda! São roupas, não anúncios.
gabriela: E por que o Fugazi não faz sua camiseta?

mackaye: Porque nós somos uma banda! Não é interessante. Na verdade, Jeff, meu parceiro na Dischord, faz camisetas da gravadora. Mas pra mim isso é chato. Pense nas bandas de jazz dos anos 30, 40: já imaginou se todo mundo que fosse vê-las usasse sua camiseta? Por que é normal, pra gente, em 1994, um garoto pagar US$ 20 pra ver uma banda, US$ 25 pela camiseta, US$ 15 pelo poster?

gabriela: O que você acha da briga entre o Pearl Jam e a Ticketmaster? [N. da E. A banda está na Justiça contra o monopólio de venda de ingressos de shows que a Ticketmaster tem nos EUA]

mackaye: O que eu penso disso?

gabriela: Sim, como vê a situação?

mackaye: Bem, nós já brigamos com a Ticketmaster. [risos] Vencemos a luta: damos shows por US$ 5. O Pearl Jam está na mesma situação, só que em nível de estádios. Tenho amigos que ironizam: "Coitadinhos, lutando por um ingresso barato, de US$ 18" Mas os Eagles estão fazendo turnê por US$ 100.

gabriela: E os Stones?

mackaye: US$ 50, 60. Talvez US$ 18 seja barato pra um show desses.

gabriela: O ingresso dos Eagles é mais que o salário-mínimo daqui.

mackaye: Loucura.

gabriela: E o que você acha dos códigos de barra nos CDs?

mackaye: O Maximum Rock'n'roll e outras pessoas são contra. O que eu penso: eles são adesivos, etiquetas, e deveriam ser tratados como tal. As pessoas não deveriam colocá-los em cima da arte da capa, porque aí ela vira só um produto. Mas se são adesivos pra colar, qual é o problema?

gabriela: Essas pessoas estão tentando "salvar" o hardcore.

mackaye: Em primeiro lugar: o hardcore não pode ser salvo. Em segundo: o punk ou o hardcore, seja qual for o nome que se queira dar viverá pra sempre, goste-se ou não. Sempre haverá pessoas trabalhando e criando em um nível "abaixo" de tudo.

gabriela: É a atitude "underground".

mackaye: A palavra underground se tornou uma marca. Mas o conceito sempre irá existir. A garotada sempre vai dizer: "Foda-se essa merda. Odeio Fugazi. Vou tocar diferente." E isso é ótimo.

gabriela: É assim que a música evolui.

mackaye: Exatamente.

gabriela: O hardcore é um estilo musical ou um modo de vida?

mackaye: Eu não sei o que é hardcore. Digamos que há uma série de portas e uma linha de tempo. Na primeira porta está escrito new wave; na segunda, punk; na terceira, hardcore; na quarta, alternativo, e depois, independente. São portas diferentes de tempos diferentes, mas que dão mais ou menos no mesmo lugar. Entro pela do punk. O hardcore é uma porta que veio depois. Sou um punk rocker. Mas talvez seja a mesma coisa. Não sei. Talvez vocês achem que punk é Sex Pistols. Mas pra mim é Patti Smith, Stooges, MC5. E também é Black Flag! Minor Threat era punk, não hardcore!

gabriela: E a violência? Skinheads etc.

mackaye: Não faz sentido. Em 81, quando começamos, havia tanta violência no punk Sei do que estou falando, porque eu costumava brigar muito.

gabriela: Está melhor agora?

mackaye: Sim. Menos brigas.

gabriela: Diz-se que você criou o straight edge, um movimento muito ativo hoje em dia

mackaye: [interrompendo] O que é isso? O que eles fazem?

gabriela: Muitas bandas, zines

mackaye: Ok. [risos] Já respondi essa pergunta milhares de vezes, mas estou pronto. Você está?

gabriela: Sim.

mackaye: Em 1980, estava no Minor Threat. Escrevi uma canção chamada "Straight edge", sobre um garoto que não bebe álcool, não se droga, não fuma, e se sente pressionado por causa disso. Sou esse garoto. Escrevi uma música sobre a minha vida? Descobri que havia muitas pessoas que concordavam comigo. Outras diziam: "Vá se foder, Adolf Hitler! Idiota!" Se você ler a letra, verá que não digo "não faça". As pessoas acharam que eu estava tentando criar um movimento. E eu: "Isto não é um movimento, é apenas uma canção." Não fez diferença. É 1994, e você está perguntando a mesma coisa.

gabriela: Talvez porque as pessoas continuem te vendo como um líder.

mackaye: Mas não posso fazer nada! O que aconteceu é que surgiram outras bandas que gostavam daquilo. A coisa se deturpou. Existem dados estranhos: muitos dos garotos que entraram no straight edge são de famílias fortemente católicas. É mais ou menos o que acontece também com o Shelter. [N. da E. Banda de hardcore ligada ao Hare Krishna]

gabriela: O crossover religião e hardcore não funciona?

mackaye: Pra eles, acho que funciona. Pessoalmente, não endosso nenhuma religião. Mas não tenho regras. Sou só um ser humano. Acredito que é natural o ser humano fazer coisas boas, e é por isso que fazemos benefits [shows para arrecadar fundos para alguma causa]. Não se tem que ter religião para ser consciente. Tem gente que diz: "Por que o Fugazi faz as coisas assim? Deve ter motivação política ou religiosa." Não. Somos quem somos. O Fugazi sou eu, Guy, Brendan e Joe. Os quatro decidem. É nossa banda, gerando nosso dinheiro, sem nada por trás. Fazemos o que queremos.

gabriela: E o que você acha quando dizem que o straight edge é de direita, porque "combate" as mesmas coisas que o governo americano: drogas, álcool etc?

mackaye: Essa é a maior besteira que já ouvi na vida. Quem acredita nisso é burro, porque realmente acredita que o governo dos EUA é contra as drogas. Todo mundo sabe que ele é totalmente envolvido com o tráfico de cocaína, o crack etc, via CIA. Acho que as drogas deveriam ser legalizadas. É absurdo que a maconha seja proibida. A idéia de que governos como o dos EUA estão gastando dinheiro para prender gente que fuma maconha me dá nojo. Mas também acho que fumar maconha é idiotice. É o que digo: ser você mesmo já é suficiente.

gabriela: Você já ficou doidão?

mackaye: Não. Nunca fumei maconha. Já fiquei bêbado, aos 12, 15 anos. Depois, nunca mais bebi.

gabriela: Nunca fumou cigarro?

mackaye: [enojado] Não, não. Gosto de ar. Tem mais a ver com o ato de respirar, sabe? [risos] Mas algumas das pessoas que amo fumam. Vamos colocar desse modo: odeio vícios, mas não odeio as pessoas que os têm. Não sou do tipo "fodam-se todos vocês, seus fumantes!" [risos] As pessoas têm uma idéia errada de mim. Acham que sou um radical que "prega" coisas. Não! Sou uma pessoa normal, que tem algumas opiniões. Isso não as faz corretas. E tenho necessidade de falar. Só isso. Punk por filosofia

gabriela: O que te fez ser músico?

mackaye: Não sei. O que te fez querer ser o que você é? Aconteceu.

gabriela: Como, quando?

mackaye: Se você for atrás, foi aos 6 anos, tocando piano. Mas isso não teve a ver. Essa é minha história da "porta do punk": quando eu tinha 12 anos queria ter uma banda (aliás, queria tanto que comprava guitarras de brinquedo e fingia que tocava), mas não conseguia tocar guitarra. Tive duas aulas; não consegui. Desisti pensando: "Música é Zeppelin, Stones, The Who. É só para deuses." Virei skatista. Eu, Henry [Rollins], Mark, todos os garotos de Washington de 13 anos. Cresci com Henry: aos 11 anos, ele era meu melhor amigo. Estava na high school [N. da E. Equivalente ao segundo grau] quando o punk começou a surgir. Comecei a me envolver e pensei: "Puxa, isso eu posso fazer."

gabriela: O conceito do do-it-yourself.

mackaye: Exato. O punk criou um formato acessível pra todos. Em um momento, música era como cenas na TV: eu nunca seria parte daquilo. No outro, qualquer um podia fazer qualquer coisa. Quando entrei nele, vi que não era só música: era político, sociológico, sexual. Tudo com o que eu sempre sonhara. O underground era diferente, e isso era importante. Aos 16, o que eu queria? Arranjar uma namorada, casar, trepar, ter filhos, blablablá. Com o punk descobri que havia muito mais a se fazer. Claro que não é preciso ser punk pra descobrir isso. Pode ser por meio de literatura, jazz, teatro, cinema sempre haverá comunidades alternativas. Foi como um presente. Por isso que me sinto na obrigação de continuar na comunidade. Muitas pessoas viram que podiam fazer dinheiro em cima daquilo, e usaram o meio para se vender. E toda vez que isso acontece, a comunidade enfraquece. Quando as bandas assinam com majors é ótimo, se é isso que elas querem fazer, e se elas se lembram de onde vieram. Só não gosto de gente que diz: "Eu tinha que largar aquilo pra chegar aonde estou." Nessa eu não caio. Henry fala mal do punk, mas Como chegou à major? Ele não seria "Henry Rollins" se não fosse pelo Black Flag. Desculpem-me se falo muito [risos] É que, quando dou entrevistas, tenho a oportunidade de repensar. Já respondi à maioria das perguntas antes, mas não fico entediado. Só com as do straight edge. [risos] Não me chateio porque é uma chance de ver, aos 32 anos, como penso, no que mudei. Volto às raízes. Mesmo com o straight edge: não é justo me recusar a responder. Foi por causa dessa música que estou aqui, agora. É uma ótima música, acho. Não me arrependo de nada do que fiz.

gabriela: O mais engraçado é que tem um monte de jornalista por aí perguntando: "Quem é o Ian?" Gente que nunca ouviu Fugazi nem Minor Threat, e faz pergunta idiota em entrevista coletiva.

mackaye: Exato. Jornalistas são assim.

gabriela: É muito estranho.

mackaye: Mas escrever sobre música é estranho, porque música não se explica em palavras. Já é um meio estranho. [risos] Mesmo o que vocês fazem é estranho. [risos] Se bem que vocês fazem zines: escrevem sobre o amor à música, não sobre a música.

gabriela: Participamos de um debate em que houve uma discussão sobre o que era zine. Argumentávamos a diferença era o espírito não uma capa colorida.

mackaye: Concordo. E isso não quer dizer que você tem que falar bem de tudo, porque, se você ama música, sempre vai achar que alguma banda é ruim. O posicionamento é diferente: um zine é sobre o que as pessoas sentem em relação à música; uma revista tem um monte de gente escrevendo de um ponto de vista do tipo "eu entendo de música". E a maioria dos jornalistas não entende de nada, são só pessoas que foram contratadas para escrever sobre qualquer coisa.

gabriela: Uma curiosidade: você é direto e seguro quando fala. Como você consegue se manter tão 100% sobre as coisas? Parece que você nunca fica confuso!

mackaye: Sou um bom ator. [risos] Fico confuso muitas vezes. [longa pausa] Faço muitas coisas, e penso sobre elas. Tento simplificar. A vida é simples. Vejo as coisas assim: estamos aqui, agora. Ponto. Tudo o mais é distração - nosso cabelo, o que comemos, ouvimos. Tento simplificar o modo como vivo. Se me perguntam sobre dinheiro, digo: "Um dia não tive, outro dia tive um pouco" Odeio ficar confuso. Tento simplificar, ser natural. É mais fácil. Não somos socialistas, religiosos, nada. Somos uma banda, só. Não quero confundir ninguém. A música é suficiente ela contém a própria razão

25 comentários:

Marcelo Viegas disse...

Memorável, Adelvan, memorável.

Tanto seu relato quanto a entrevista da Gabriela.

ps. não acredito que vc perdeu o show do Killing!

ps.2. o IML era foda ao vivo mesmo!

Juliano Mattos disse...

Caralho!!! Eu nunca tinha ouvido falar de tal show. Afinal coisas assim grandiosas já aconteceram no Brasil, hein?

Fiquei te imaginando ali sentado, caladinho e doido para poder falar ingles durante a entrevista do Ian hahahahahahaha Coitadoooo!!!!

Muito massa o seu relato. Voce já tinha essas experiencias fodidas quando eu era um guri que jogava bola na rua e ouvia discos da Xuxa hahahahaha

E a entrevista com o Ian foi foda! Cada resposta fodida! Na verdade nao sou chegado nem em Minor Threat, nem em Fugazi e nem na Dischord Records, mas vou prestar mais atencao agora hehe.

Juliano Mattos disse...

Ah! E eu tenho que admitir que mijei-me de rir com as duas últimas linhas do teu relato hahahahahaha

Me fez lembrar de quando a minha mae e tia, militantes do PT, me levavam para as passeatas, comíssios do PT e inclusive discursos do Lula em Aracaju, por volta desse mesmo período hehehehe

Carlos Costa disse...

fala adelvan
muito bom, como sempre.
abraços

gabidias disse...

Queridíssimo, botar a foto desta srta de 15 anos atrás não precisava, né? ;-)

Mas ADOREEEEI seu esforço de publicar! Se esse país fosse decente, o Jeff ainda estaria por aí produzindo coisas assim, e não se mudando pra Austrália...

pedestal Zine disse...

muito massa a entrevista..porra radical mesmo a postura dos organizadores..

Viva La Brasa disse...

Encontrei c/ o Jeferson caspar num festival no Rio em 96 e perguntei qdo ia rolar outro BHRIF... ele disse que provavelmente só qdo BH completasse mais 100 ou 200 anos, haha!..
Existem situações que não se repetem, a não ser como farsa, já dizia um velho barbudo...

Adelvan disse...

pois é, ainda bem que eu estava lá, então, hehehe

Enzo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Isa disse...

Bons tempos! Seu relato me traz a imagem da Praça da Estação e aquele palco enorme onde o Fugazi tocou, o relógio da Estação Central, onde te encontrei. Show do Loop B tinha uma marreta e uma carcaça de máquina de lavar, e eu zoava mesmo, pois os Baratas Tontas, eram o rock original dessa cidade. Marcos MOF, Jefferson Kaspar e Adelvan: grandes caras! Prazer enorme em te reler depois de tantos anos. Vida longa!

programa de rock disse...

Valeu Isadora ! Acredita que ainda tenho aquele cachecol que vc me deu de presente ?

Eduardo Abreu disse...

Caramba, Adelvan, achei por acaso o link pro teu blog e me diverti lendo o relato do BHRIF. Foi muito marcante na época. Hoje em dia, chega a ter 4 ou 5 shows internacionais em SP na mesma semana ou 2 festivais grandes na mesma noite, mas, na época, algo com o perfil do BHRIF era praticamente inédito. Em 2007 reencontrei Ian MacKaye e entreguei em mão as edições da 100Tribos que trazem as partes I e II da entrevista. Ele pegou as revistas, olhou pra foto da capa em que está segurando uma xícara de chá, e disse: "Nós conversamos durante horas aquela tarde, hein?". E foi isso. Digamos que assim fechamos um ciclo. Desde então entrevistei muita gente como Mike Muir, Jello Biafra, Manu Chao, Jerry Only, Blaine Cartwright e outros, mas essa com o MacKaye foi uma das mais memoráveis. Abraços!

gabidias disse...

Eduardo, e kd o link dessas 100 Tribos, hein??

Puxa, nem acredito que o Ian ainda lembra daquela tarde... pelo visto foi memorável mesmo!

Bjs, Gabi

Adelvan Kenobi disse...

Uma das coisas mais legais da internet é que fica aí, disponível, e as pessoas acabam encontrando. Massa demais. Eu fico espantado em saber é como hoje tão pouca gente sabe que existiu um festival como o BHRIF. Entrevistei duas bandas mineiras no meu programa, ENNE e Silent Cry, e eles não faziam a menor idéia do que se tratava.

gabidias disse...

Aaaah, a inguinorança da juventude... E que programa é esse, hein, seu moço??

Eduardo Abreu disse...

Oi, Gabriela! Não digitalizei as 100Tribos até hoje... A Rock Press me propôs reeditar no portal as principais entrevistas e matérias. Vamos ver no que dá. E vocês, o que andam aprontando hoje em dia?

Adelvan disse...

Eu faço um programa de rádio (radio mesmo, não comunitária nem Web radio) na radio publica daqui - www.aperipe.se.gov.br - para maiores informações, acessem o blog do programa: www.pdrock-sergipe.blogspot.com

gabidias disse...

Eu só faço trabalhar atualmente, meninos... Mas eatou querendo reconectar com as raízes. Quem sabe um projeto conjunto, hein? ;-)

Adelvan Kenobi disse...

Caramba Gabi, retomou a conversa exatos 1 anos após, heheheh.

gabidias disse...

O tempo passa voando, seu Adelvan! Tanto que já faz quase 20 anos do BHRIF, né?

Ah, vc tem o contato do Edu Abreu?

Adelvan disse...

http://caixapretaprp.blogspot.com/ - Este é o Blog do Eduardo Abreu. Muito bom, por sinal.

Everton disse...

Adelvan, seu relato sobre o BHRIF é muito bom!

Deparei com o seu Blog por um acaso e por coincidência estava fazendo um vídeo para relembrar uma banda que se apresentou no OFF-BHRIF: LINGUACHULA.

Tomei a liberdade de acrescentar a descrição do vídeo um pedaço do seu relato, com os devidos créditos é claro!

Se tiver algum problema é só me avisar que eu retiro ou quem sabe acrescento...

É um vídeo simples, mas tá aí pra recordar essa época boa do BHRIF. Segue o link: https://www.youtube.com/watch?v=Ia5pbjtCkA4&feature=youtu.be

Adelvan Kenobi disse...

Oxe, problema nenhum, muito pelo contrário, sinto-me lisonjeado. Obrigado!

Everton disse...

Valeu Adelvan, eu que agradeço!

Anônimo disse...

Massa!